Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

segunda-feira, 31 de março de 2014

Malaysia Airlines

Pouco me importa a Crimeia agora,
e tudo que eu posso supor:

posso te beijar?

Pouco me importa a Malaysia Airline,
meu corpo adormecido 
quer emergir como um boing 777

e olhar seus olhos com um olhar 
que ainda nao testei em outras.

Por isso agora me detenho diante
de um arquivo inumeravel
daquilo que suponho.

Componho versos, 
imerso em rimas 

que a poesia não cuida em ajudar.

Atravesso a rua, tomo um taxi
e a noite anterior,
agora repousa numa das frações

minha barba cresce, 
meus olhos estão cansados demais.

O que fazer agora?

Eu vou tomar meu chá,
falar um pouco de besteira.

E sei la, deixar de dizer tanto bom dia.

Pouco me importo com as duas Coreias,
quero que se dane tambem a Crimeia,

eu fico parado, olhando o transito 
e reparando em carros,

em tudo, um todo ausente
como se a vida fosse um presente perpetuo
sem direito a ensaio ou boa acustica.

Eu so sei que te vi e agora guardo essa visão comigo

e quando fechos os olhos repriso e retrocedo,
medo de sermos sós
e só amigos.

sexta-feira, 28 de março de 2014

Canção para Hera

Na margem da ansiedade
esperei ate agora

a hora
de saciar a vontade

Verdade,
é bem pouco tempo,
mas para que dezembro

se ainda é março?

eu marco o salto
e finjo a fuga

O beijo não tem culpa,
para que culpar?

bocas são só bocas
até beijar.

quarta-feira, 26 de março de 2014

Quase um poema, muito mais uma pergunta e espero nao ser um problema.

Fica
um pouco
meu abraço

Sem nó,
só laço.

E quando é muito cedo
ou
 ate onde ir antes do até muito tarde?
Sequer uma semana e
já é muito 
percorrer os dias
- vontade -

sorriso sonoro de verão 
                                caloroso.

terça-feira, 25 de março de 2014

Sobre a Marcha Nazista sem deus e com a família de bem.

E aí eu que não sou Cristão fico pensando:
Será que se Jesus fosse naquela marcha ou mesmo na Marcha para Jesus, seria bem recebido?
Quer dizer, acho que ele seria chamado de comunista e expulso aos ponta-pés.
Eu não tenho medo dessa marcha, gente paranoica está sempre próxima da sociopatia ou da síndrome do pânico. Mais dia menos anti-depressivos ou uso constante de cocaína, essas senhoras e seus netos skinheads, estarão bordando mortalhas para si.
Só não podemos sossegar, agora ficou claro que existe uma direita no Brasil e uma direita raivosa, mas essa gente morre. Gente do século passado e com mentalidade medieval e histérica.
E quando um desses argumentar é fácil responder:
Já fazem 50 anos, o sonho deles nasceu morto. Sonho feio de quem nunca comungou do amor ao próximo.

Camarada Zé

quarta-feira, 19 de março de 2014

Sobre Villa

Quando se fala de revolução mexicana, muito se fala sobre Zapata, mas para mim a figura maior sempre será Pancho Villa. 

O ladrão de cavalos, o homem que passou um trote as autoridades de fronteira do Mexico e dos EUA, roubando assim um trem recheado de ouro e armas, por coincidencia o garoto que resolveu cair no mundo ao ver a irmã estuprada pelos peões de um senhor de terras ao norte.

O mesmo destemido centauro que apesar dos inumeros rotulos de tequila com seu nome estampado, jurou nunca beber uma gota de alcool - no fatidico dia do estupro de sua irmão, seu pai não reagiu pois estava muito bebado.

Villa representa cada homem e mulher latino americano, vitima da sanha de outros tantos e tantos senhores de terra ou de bens na america latina.

Desculpem os zapatistas, mas eu fico com o Villa, aquele mesmo que povoa lendas dos homens e coyotes que vagam pelo norte do Mexico, ali mesmo na fronteira com o diabo.

terça-feira, 18 de março de 2014

Sobre quando a beleza flertou com a guerra.

Café da manhã sem cerimonia,
ela não costumava não estar,
e agora percebe:

Nem sempre houve aqui,
antes era só você.
Agora a sopa esfria devagar,
o silencio nos intervaldos de algum disco.

Sem oxigenio o bastante,
dividindo o quarto com o cigarro aceso,

as vezes o sono custa a chegar,
dificil despir a cara para vestir a paz,

quando não é silencio
e parece muito com solidão,
dou uma volta, ninguem pra me esperar.




Dionisio partiu

Não precisa descer a escada,
sem elevadores, a luminaria quebrou,
os pneus foram roubados, palavras...

Enquanto ouviam o tempo, acordei,
duas horas até essa dor.

Recolho os artefatos, penso um pouco
e nada durou o bastante.

Ao menos acordei.

trabalhei a semana inteira,
com o que se parece aquela nuvem?

Labios vermelhos,
como uma canção antiga
ao ser redescoberta

não vou cair da cama daqui a pouco,
a vida é bela!

Pelo menos costumo achar isso.

segunda-feira, 17 de março de 2014

Retorno Cancelado

Batalhões classicos
avançando em territorio conquistado,

quando as tropas dobrarem a esquina,
eles ainda não sabem,
mas já dilaceramos Cervantes,
Lorca, Neruda e toda a filosofia

em uma das tantas torres uma outra celula suicida

Maiakovski, Hemingway ou Cardenal,
Não entregamos os nossos,

eles não leriam.

Voltem para casa crianças,
acho que acabou

e é isso,
nunca imaginariamos
algo assim:

voltem para casa...


sábado, 15 de março de 2014

Hino a Netuno

O Arqueduque da solidão preparou as baterias de classicos.
Não sei muito agora...

Sou o cara na mesa vazia ao lado,
vinte e tres anos em alto mar,

sem terra firme
sem pouso

A Condessa do pouco caso está confulando
com o Bispo da ilusão,
heresia a vista.

E tudo que se queria ser?

Um ladrãozinho de flores,
olhos miudos de quem gasta a saude

sorriso de quem já sabe
o que não perguntar.

Muros pulados,
lugares por ocupar,

ouça
ouça

Ela parece triste e todos a vieram ver,
palidez de nupcia interrompida,

o salão paralisado,
ausente agora qualquer
traço de alegria.

Preparem as divisões, arquipelagos distantes
e canções, quem aqui já praguejou o mar?

Sei temer a calma celeste de um céu de março.

''Não sei dizer se podemos agradecer
por isso que a musica pop e
os anos 90 nos tornou''

E agora no meu quarto a cicatriz
parece um pouco com a rachadura no teto,

aquela que acreditavamos parecer com alguem.

O vice-rei da provincia da auto-negação
essa noite cortejou com uma gentil senhora,

ela morava proximo do passado
e só nos sonhos ela estava lá.

No salão paralisado quase é possivel ouvir:

invadidos de silencio, eles engolem a inveja
com um pouco de dor como acompanhamento.

domingo, 9 de março de 2014

Tardou

Quando o ultimo assirio
soube da decrepitude
que é ser só,

já era tarde.

Tarde para a Assiria
perpetua dor

e já não importava.

Olhou a planicie, rememorou outros tempos
e já não importava.

Anoiteceu, veio o dia

e tardou
e tardou
e tardou

ninguem chorou o fim da Assiria.


Errata.

E quando o tempo nos recolher,
restará ainda um pedaço a recordar
e outros tantos para se supor e reter.

E se o amor é truque antigo

restou ser teu amigo
e o detalhe impresso:

já fomos intimos.

Agora a hora gasta o corpo,
como uma parede erguida para calar.
Ainda haverão dias de sol
e noites de chuva.

No sonho, nas lembranças,
voce assim, ainda nua.

Despida de despedidas,
na primeira noite
em que resolveu ficar.

E agora a noite recua um pouco,
quase posso ver, nos seus olhos um recado

que ainda não aprendi a ler.

quinta-feira, 6 de março de 2014

Carta engasgada

Acordei de um sonho estranho,
ela não me beijou ate onde pude chegar.

Andando em circulos aprendi sobre lugares distantes,
ela não entendeu a lição ainda

parece facil se voce entender,
que estou apenas tentando imitar a luz.

Horario oficial da pergunta,
ciencia do coração partido,
coração ansioso
e mais uma petição.

Ela nao entendeu que estou triste,
estou realmente triste...

Essa festa não faz sentido,
por favor volte ate o ponto
onde o futuro fazia sentido.

Acho que o perdão fazia sentido,
ilumine a saida agora:

Ciencia e progresso
tuso sobre a casa que projetei...

Me ame de uma maneira facil e sem compromisso,
bolsas sem responsabilidades estatais com o passado.

Oficial nazista e mulato
cão rodando em circulos
e latindo em um alemão vadio

Luneta sem visão, me conte sobre a ciencia e o progresso
eu nao sou ariano como a amante de seu amante,

dance como uma bailarina sem cache,
viverei como um georgiano marcado pelo diabo

nao me acuse
se apagar a descencdecia dele
talvez fosse apenas vitima
e não o filho de um lacaio.

Calem o algoz,
voz de estuprador oficial
voz de inquisidor oficial
voz de despida oficialmente de humanidade

Agora eu olho o céu,
um reich se levante na Ucrania,

seu avo mataria o arqueduque da Hungria?

Na praça o seu sogro trabalha,
suborno e violencia
nutriram o seu grande amor.

Eu sou a Crimeia russa,
nas ruas enquanto seu lobo dorme

te imagino voltando,
mas o seu flerte agora
é afilhado da morte.

Ei, isso mesmo é com você que estou falando!

Ei, isso mesmo é com você que estou falando!

Sim, você aí que fala de pena de morte, temor a deus, você que é contra o aborto mas se a sua filha engravidar antes do casamento já vai logo assuntar com aquela sua irmã solteira se ela sabe alguma clínica de aborto clandestina, afinal ficaria feio o bafafa na igreja se souberem que a sua filhinha não resolveu esperar, não é mesmo?

Você também é o cara que vota na bancada evangélica ou que vive latindo aos quatro cantos contra a ditadura bolivariana, mas no almoço de domingo solta que sente saudades da ditadura militar.

Com quase a mesma sanha insana que se diz cristão, mas não entendeu direito aquela parte do a Cesar o que é de Cesar, rasgando assim não apenas a carta magna como também cuspindo na cara do mito fundador da sua religião.

Eu sinto um pouco de pena de você, provavelmente mandaria pra cruz ou chamaria de vagabundo um cara de 33 anos que costumava jantar com os marginalizados. E se Pilatos lavasse a mão preferiria Barrabaz, enquanto assistia o julgamento pela TV, sempre com comentários do tipo direitos humanos para humanos direitos, prende e arrebenta. 

Você não sabe, a TV cuidou em te adestrar, por isso você não sabe, mas as palavras que saem da sua boca foram pensadas por alguém, muito mais confortável que você e sua vidinha suburbana de linguiça e cachaça. Alias você muito provavelmente se iniciou sexualmente com alguma prostituta e acha um achincalhe essa história de Maria da Penha, pois sabemos você é o macho provedor, temente a deus, pai exemplar, seguidor da lei, mas que não perde a chance de molhar a mão do guarda se no meio da noite é parado por alguma irregularidade cometida.

E danem-se os muçulmanos, são todos terroristas, mas você também quando se enerva com a vida mediocre que leva da umas pancadas na mulher, mas tudo bem você paga o dízimo, votou naquele deputado indicado pelo seu pastor.

E você muito provavelmente não conseguirá ler isso aqui, 50 anos depois da ditadura você é o fóssil vivo da esquizofrenia de uma sociedade que tornou banal a barbárie.

Vanguarda da Vodka Proletária

Idilio sebastianista

Tres bilhões de possibilidades,
em um lugar distante:

bar ao lado do trabalho.

Sorriso de primavera esquecida,
explosão populacional.
Acho que o amor esta em coma.

Tubos de ensaio e proteses de dignidade,
uma estrela apagou
enquanto voltavamos para casa

ela era tão linda
e nunca retornaremos de onde paramos.

Como voce se chama mesmo?

Fascistas comedores de batata doce,
bailarinas simpaticas em demasia
uniforme de papel reciclado

castelo onde almoçamos carpas
enquanto um ditador compunha poesia.

E eu não sou poeta.
E eu não sou eu
E eu não sou meu

Lembra quando era quase magico,
ficar olhando a rachadura no teto do quarto

e pensar que podia ser um sinal?

Aquela estrela não existe mais
e o que ilumina o meu jantar

é só a explosão se propagando
dentro do infinito que se expande.


sábado, 1 de março de 2014

Sobre a ultra esquerda

Voces estão tão centrados, seria bobagem falar
que é só mais uma religião,

um bloco sectario que panfleta ilusão.

E se voces querem mesmo mudar o mundo,
acho que sair fora é uma boa,
seria uma opção?

mas bobagem dizer isso agora
voces são uma nova religião.

Um velho slogan contra a opressão,
mas as garotas não podem escolher.

(mundo novo?)

Desculpe, isso não é revolução...

Enquanto dizem abrir caminho para o novo,
esqueceram de convidar o povo

mas não estão por fora da ultima resolução?

Enquanto planejam um novo ato,
antevejo a poeira fossil da sua orientação.

Garotos abastados, todo intento e impeto
é só mais uma diversão,

e eu tenho medo do futuro
voces serão a versão nova
da antiga Miriam Leitão.