Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Vishnu

Algum dia as estrelas se olharão o espelho,
sem o céu a noite gira em relogios e sonhos
e agora o que poderemos dizer?

Falta sentido, parece que a vida foi passear
enquanto o céu brinca de se esconder e burocrata procria

Seus cabelos de som e vento...
Seus olhos parecem ter a cor da chuva...

A rua parece maior quando voltamos do trabalho,
o coração é um relogio sem utilidade,
sem hora certa e quase sempre é nunca,
nunca entende muito se acerta é apenas sorte

Um dia acordará e entenderá,
até lá apenas viverá e acho que é isso apenas.

Esperavamos por algo maior,
mas o logradouro dos sonhos
é um endereço imaginario e provisorio

(Acorde...)

Chineses comem o almoço enquanto mendigamos carinho,
um dia ela vai entender o que eu disse naquele momento

Enquanto isso, sei que vou chutar latas e pensar 
enquanto olho os predios e circulo pelo centro a noite.

Então eles sabem do que estou falando,
mas nunca saberão como eu disse,

estão no meu jardim e servem o meu café
papeis atestam com pericia que a tortura sera eficaz

limpos como filhos de policiais
hipocritas como suas namoradinhas brancas

( Mastigue...)

O perfume circula a alameda
feito os quilos que a mentira induziu

Il est allé d'être en noir et est devenu un scélérat
arrêtés le long de ce ver et de brûler leurs fils et leurs uniformes

enquanto o sol vomita luz e o céu digere nossas ilusões
não sei o que dizer 

As ruas querem abraçar o horizonte
 vida boceja enquanto as horas passam

Tudo que voce precisa saber
´exatamente aquilo que parece verdade
mas de uma maneira que não seja mentira.

(Não minta...)

Engatilhado para o mundo
feito um livro sagrado escreto em letras mortas,
perfeito como alguem que parece humano

deus está olhando aquela moça enquanto ela sorri,
parece feliz mas não sei muito bem se posso acreditar

Talvez seja uma piada,
macacos pulam de predios
e alugam casa
nas fronteiras da cidade

eles usam fardas, o papai deles usa farda
e tomam chá e os filhotes não costumam beber
ou fumar ou beber e fumar...

guitarras são caretas se pagas a preço de sangue
se o que mantem seu lar é violencia seu destino é a barbarie.

(E tenha um bom dia...)

dentro de casa as janelas de outras casas,
tão distantes e iluminadas por televisores 
parecem estrelas parindo luz e esperança

a voz de muitas vozes
ecoa como o barulho que a agonia canta

Você não leu Balzac,
acho que não entenderia Kafka mesmo que explicasse

Não tenho medo
e sei muito muito bem o que eu sinto

A vida tem uma cor diferente
e a alegria afastou de mim
o que a vida etendeu
que não serviria 

então assim comumente como quem lê o jornal,
escrevo e leio muros, placas e livros

nada na cidade me diz algo
o silencio da noite é o canto da solidão

não a solidão dos amantes,
mas o prato frio dos aflitos.

Nenhum comentário: