Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Estou ok

Quando for a hora,
não agora,
mas o momento certo

origamis de canudo
e bottons dos Beatles

enquanto as luzes assistem a minha espera,
apenas suspiro enquanto espero: Não agora...

flores de papel e livros de economia,
ainda não é a hora, costumo repetir.

Estou feliz, você ainda não sabe,
mas eu costumo saber antes as vezes

um antigo vicio, um costume qualquer,
as vezes te espero, as vezes não sei,
quase sempre é o novo nome 
para esse exercicio.

Mus dias gasto ensaiando te dizer tanta coisa,
eu tenho uma vida inteira para contar
e um futuro para partilhar

Seus cabelos ruivos,
seu pele bronzeada,

sapatos de boneca,
vestido floral...

origamis de canudo,
um texto impresso no papel

guardei minha fala no bolso
e ensaiei um sol no sorriso

ainda não é a hora,
mas ouvir sua voz...

Será lindo.

por isso mesmo ensaio no espelho,
no intervalo do almoço e enquanto te espero

e a sorte acenará no dia certo,
assaltando com brilho

o ponto onde cruzaremos
nosso destino

por isso espero com cautela,
te olho e advinho na multidão

para voce escrevi um texto,
queria cantar uma canção
urgente e urbana

sobre a maneira como me encanta
o breve brilho que o sol inveja

a sensação que me infesta
feito festa e poesia

espero ouvir sua voz,
disso depende não uma fração

mas a canção que minha alma canta
enquanto espero o onibus e afago a vida.

voce é a gaiola onde meu olhar fez cativeiro,
nevoeiro de suposições e questões
inquietando as noites depois do turno

eu atravesso estações, ignoro linhas
e todo o mundo, tudo agora é como o resto

todo instante na ampulheta das chances
se disipam tempo e olhares

não sei seu nome moça,
mas t vejo em todos os lugares,

na liberdade, consolação, brás e bexiga
em tudo o que há, antevejo poesia
se a suposição cabe te encontrar.

Não sei seu nome,
pouco sei sobre seus habitos,
notei que lê economia e literatura classica

não sei teu nome,
não tenho coragem para perguntar

origamis de canudo,
flores para te presentear

noite dessas como em outras noites,
te encontro e sentams juntos
espero o dia em que iremos conversar

pouco importa se sobre o tempo, dia ou atraso
entenda bem e saiba disso

que noite feliz quando souber teu nome,
quando contigo misturar o meu caminho.

Nenhum comentário: