Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

sábado, 30 de março de 2013

Bilhete III


Bom Retiro, 30 de Março de 2013

    Você fez aniversário dia 24, ate agora tenho pensado nisso, na distancia e nos desencontros. Me pus a pensar em como juramos no Rosh Hashaná: "durante o ano, assim como esse dia".
    Das ruas onde nos beijamos, nos planos e naquela ideia que agora parece tao triste, toda ideia feliz se torna triste? Ainda me da uma vontade danada de sei la correr essa SP gigantesca casa por casa, atrás de você em todos os bares, teatros e cinemas. 
    As vezes me dá vontade de beber ate desaparecer de vez o meu juízo, só pra ver se assim sua lembrança me deixa dormir em paz, se você deixa de estampar meus sonhos, só pra ver se deixo disso de pensar que em dias frios assim você lembra que são meus dias prediletos. 
    Sabe dia 24 foi teu aniversário, você não é linda como aquelas moças que costumo sair vez ou outra, não você não é como elas, você é diferente, te reconheço pelo cheiro, sei o nome do seu perfume, não é o perfume caro dessas outras moças, o seu tem aquele cheiro simples de quem trabalha e cuida de alguem, cheiro de mãe, perfume de mulher. Te reconheço até nos passos infantis de qualquer criança arteira, sabe eu não sou o poeta dessa geração, não serei o poeta dessa geração, você não tem vocação pra Yoko e eu sou porra-louca demais pra interpretar o Lennon, mas ali, aquele mes, foi intenso e mágico, genial e tempestivo.
   Sabe moça eu te escrevo a toda hora, já pensei em comprar horário nobre na TV, Outdoor ou fixar cartazes ilegais no caminho que suponho faça ate sua casa. Eu tenho isso comigo, essa angustia que me esfaqueia a cada esquina, pois espero esbarrar contigo, não sei. Sabe moça, não sei, não mesmo. Gosto da sua perna menor que a outra, da alegria do seu sorriso aberto no espaço feito o sol dançando, gosto do seu jeito de me chamar de exagerado, sei que se ler isso vai me chamar de exagerado. Enfim escrevi tudo isso na esperança que leia esse bilhete, o bilhete do cara que te comprou flores mas ficou la no patio do colégio pleno domingo, sabia que você não estaria la, mas ficou lá, tocou o sino com o entardecer e foi embora.                       
    Espero que leia esse bilhete, no final não sei, aprendi isso: não sei. Tenha um feliz aniversário.

Nenhum comentário: