Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Confesso


Tenho uma queda por mulheres misteriosas, com olhar risonhamente devorador, que não caem nesse conto da submissão. Acho o mistério interessante, aquela atmosfera de pouco caso, gosto quando não respondem o meu sms, meu inbox, adoro aquela risada de madrasta da branca de neve. Sabe porque? A vida não é um conto de fadas, mas se fosse eu preferiria as vilãs, elas sempre tem menos culpa e mais vontade, são mais reais.
 Adoro perceber a meninice em uma garota, saber que ela chora, deixa-lá perceber que eu também choro, nada de errado nisso, somos passíveis a quase os mesmo dilemas morais. Gosto da mulher, que não queira  ser minha, pois sabe que uma relação, não é um contrato de posse. Gosto da mulher que é tão livre, que em sua nudez meu corpo se extasia em liberdade, gosto da mulher que é louca, confusa e as vezes paranoica, amo o amor que também é quebra-cabeça, não quero uma mulher para mim, eu quero pertencer a uma mulher, fazer parte do delírio dela, inventar a cada instante uma centena de novos pecados sem perdão e igualmente prazerosos  Adoro a mulher que deixa bem claro não precisar de alguém pra ser feliz, pois da felicidade dela eu quero apenas participar. 
Mulher frágil é ideal demais, não atrai, causa pena na verdade, tem que entender e nos fazer entender um monte de coisas e no instante seguinte quando tudo fizer sentido, desmentir cada detalhe e se reinventar, pois a mulher é a metáfora do planeta. Tem que saber se tocar em diversos sentidos, saber sentir sem esse sentimento de dependência. todos os complexo são lindos, mas não tou afim de uma Elektra mal-resolvida, acho que poucos estão pra falar a verdade. No final das conta, na regra de trés  na matemática simples da atração, o que realmente importa são detalhes que passariam batidos para qualquer outro cara ou moça, no final o clichê esta certo e com o adendo de alem de ser você mesma, seja confiante, o machismo e os seculos de sociedade patriarcal, mostraram a mulher emancipada como bruxa, demônio e o que mais de negativo existir ou se imaginar, mas a verdade é que não existe nada mais excitante que uma mulher forte, independente e que sabe o que quer. 
aquela imagem cândida e fresca, sem culpa ou inocência  transitando entre o cosmos e o desejo de uma centena de pessoas aquela polemica voz suave ou rouca sempre de maneira assertivamente pecaminosa dizendo verdades e cometendo pecados, sabe eu amo a mulher errada, a intenção e comer o fruto ao dar ouvido a serpente, a certeza de que é igual, a irreverencia e a inteligencia, a resistência por seculos.
A bruxa má me dá mais tesão que a bela adormecida.

Nenhum comentário: