Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Oceano Ártico


Ela mordia o lábio enquanto seu olhar se perdia,
na calçada molhada pela chuva, por onde andaram.

Latas empilhadas em vitrines de mercados,
aquele vestido desbotado,
esperando ser desabotoado.

Ela parecia te esperar, não nos disse nada,
mas foi como se sua presença nos perguntasse por você.

Não existe um tempo certo, você pensou que havia outro,
ela talvez suponha que haja outra, mas sabemos:
vocês se esperavam.

Ela estava tão quieta, parecia tão distante,
sabe ela estava pensando em algo bom,

costumamos nos calar, apenas olhar,
olhar perdido é o pensamento passeando no passado.

Seus olhos já não tinham aquele brilho,
eram a vaga ideia do que um dia foram

Sim, parece que dessa vez é com ela,
então parece que não é apenas com você agora.

Então meu caro, acho que agora é com vocês,
não é mais apenas você, ao menos que entendi.

Agora você escuta uma canção,
ainda ontem você acreditava nela,
em um minuto apenas,
então acho que é o que posso dizer.

Egiptologia

Meus desejos estão se diluindo,
piscina de luz onde o sol vem beber,
não faria sentido dizer,
não faria bem. dizer.

Você não fara a Europa ser logo ali,
não recebera em meu passo a força ou a vida.
sei lá, as vezes logo ali vai se distanciando,
até se tornar; eu aqui e você ai.

Guiando um rebanho de sonhos,ordenhando estrelas,
enxugando o céu, as cores dão braçadas no lago de sons,
meus pés descalços, estranha lembrança de me sentir em casa
cada minuto  feito um delírio, todo momento uma só ideia.

Meu desejo feito uma crença, no tempo se diluindo,
olha meu riso, ri da minha cena, pensa como pensei,
não há razão ou estado alterado, capaz de deixar de lado.
O que o tempo é. O que com o tempo se vai.

Não falarei de amor, farei outra metáfora,
pois o amor é a metáfora que a vida conta,
enquanto o corpo escuta e o mundo apenas sonha,
treme, sonha e treme. A vida é uma  explosão neural.



terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Soneto de Verão

Por favor, a esta hora já recebi sua noticia,
loucura pensar que como um trovão de sal, culpa e argumentos,
minha dor seria causada por sua loucura, não ouse supor,
não ouse supor, que minha dor é fruto de sua tortura.

Seu sorriso de laranja e sol, feito um dia inquieto,
dentro de uma lagoa de recordações infantis,
não há nada em mim que seja seja seu, já não há nada em mim,
assim os barcos seguem para um ponto que ignoro, inútil saber.

Então uma arvore dará frutos ainda uma vez,
 infalível dialeto das estações, o vento cantara,
ao poeta restara o canto como ao mar resta o marujo.

Sim, já recebi a noticia, esta morto o tempo dos sonhos,
meus dentes não morderão mais tua carne branca e primaveril,
já é de outro, nunca te quis minha, no entanto quis ser teu.





segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Matinal

Um pássaro olhou para outo pássaro,
pássaros são virgulas no horizonte.
Dai eles me notaram, me olharam um instante e se foram.

Besteira pássaros não pensam, eu pensei,
besteira ele não voa, pensaram os pássaros a meu respeito.

Então eu andei uma tarde inteira pelo parque,
as folhas traziam um nome que me esqueci,

uma nova pronuncia para um sonho gasto,
mas ela estava tão linda, ouvi  alguém dizer.

Da minha janela as vezes olho o sol se por,
a noite as vezes vejo o céu escurecer, as vezes demora,

dias claros que me trazem o sabor metálico e fatalista
por isso amo o cinza operário
dos becos úmidos da minha cidade

Os pássaros me olharam por um instante,
talvez meu olhar mais cinza que o beco onde buscam restos,

quem sabe um instante ao me olhar rezassem por minha sorte,
pássaros não tem fé, mas sabem voar.
Sua religião é o horizonte, mas quem liga?

A praia vai assistir um beijo,
o casal vai se despedir sem adeus.

Eu apena pensei em ir embora,
mas ao acordar fui ate a janela.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Conceito

Em dias como esses, dias assim,
que poderiam ser meus, em dias assim apenas penso:

Onde eu estaria agora?
Mãos nos bolsos, olhos baixos, chuto latas pelo caminho,
talvez mais uma rua, quem sabe alguma esquina.

A vida esta voltando só,
não faço par, estou a par, mas não farei par.

Dentro do seu apartamento, em seu quarto,
esse não parece um folheto religioso sobre salvação?

Pela janela você pode me ver passar,
pensei em muitas coisas,
dentro do meu silencio,
ouço suas canções e a voz não é mais a sua...

De muitas maneiras pensei no futuro,
antes era ao seu lado, agora apenas não sei

Agora apenas não sei
Agora apenas não sei

Então choveu essa tarde,
mas choveu todos os dias pela manhã

ainda ouço suas canções,
a voz não é mais a sua.

Em dias como esses, mãos nos bolsos e olhos baixos,
apenas sigo, vendo a luz amarelada da iluminação publica,

antes você era um conceito,
agora se parece com o passado.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Safári Mental


Seus olhos já não tinham aquele brilho,
eram a vaga ideia do que um dia foram

Pareciam os seus, tão apagados,
eram a vaga lembrança de quando eram iluminados.

Olhar perdido,
pensamento passeando pelo passado.

Oceano Atlântico

Nós vimos aquela garota outro dia,
estava muito tarde, verdade.

Ela parecia tão quieta, com seu copo e um cinzeiro cheio,
ela fingiu nos ignorar, mas seus olhos te procuravam entre nós.

Sim, parece que dessa vez é com ela,
então parece que não é apenas com você agora.

Ela mordia o lábio enquanto seu olhar se perdia,
na calçada molhada pela chuva, por onde andaram.

Por onde andaram juntos, 
ela deve ter pensado.

Nós vimos essa garota, estava bem tarde,
sim realmente estava, não para vocês.

Latas empilhadas em vitrines de mercados,
aquele vestido desbotado, 
esperando ser desabotoado.

Ela parecia te esperar, não nos disse nada,
mas foi como se sua presença nos perguntasse por você.

Não existe um tempo certo, você pensou que havia outro,
ela talvez suponha que haja outra, mas sabemos: 
vocês se esperavam.

Sim, estava tarde, não o bastante para vocês,
apenas seria difícil voltar para casa,
mas acredito voltar para casa seria a ultima opção.

Ela estava tão quieta, parecia tão distante,
sabe ela estava pensando em algo bom,

costumamos nos calar, apenas olhar,
olhar perdido é o pensamento passeando no passado.

Ela ficou lá na mesa do fundo, calada,
não parecia aquela atriz, não parecia aquela cantora.

Ainda era linda, mas agora estava triste,
ela não nos disse uma palavra.

Foi como se perguntasse.
Ela nos ignorou, pois procurava você.

Então meu caro, acho que agora é com vocês,
não é mais apenas você, ao menos que entendi.

Agora você escuta uma canção, ainda ontem você acreditava nela,
em um minuto apenas, então acho que é o que posso dizer,

mas sabe, aquele olhar?
Sim você precisa reaver aquele olhar...

Olhar perdido,
pensamento passeando pelo passado.

Então ela não dirá, mas sabemos: manhãs de sol te fazem recordar,
dias nublados para ela são sua imagem e a alma dela é o porta-retrato.

Ela mordia o lábio enquanto seu olhar se perdia,
na calçada molhada pela chuva, por onde andaram.

Seus olhos já não tinham aquele brilho,
eram a vaga ideia do que um dia foram

Pareciam os seus, tão apagados,
eram a vaga lembrança de quando eram iluminados.

Nos vimos aquela garota outro dia,
ela não disse nada, para dizer por ela
escrevi essa poesia.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Samba Antigo (1910)

Pois é figura cômica assim não pode haver,
no entanto existe, tão triste o fato, tão triste
mas se querem mesmo saber nem vou dizer

Já que a vida é feito canção.
Opa! Quase disse na linha acima o nome em questão.

Seu sorriso fácil, seu caminho que aproxima,
pois é... Pois é, menina pois é, ate a próxima vida.

Eu já desconfiava, meu samba nem sei bem o motivo desandou,
toda a gente ao redor palpitando, a razão o motivo e o quanto,
pois é menina,pois é desandou... Fiquei sozinho, sobrou meu canto

E agora quando eu vou ao paraíso, ninguém pode notar,
mas cada ícone amostra me entende feito eu falasse russo
mas foi um samba apenas, uma canção infeliz
Pois é lirismo, o sentimento esta sempre por um triz

Lá no centro a gente já não se vê mais,
aqui comigo reina um comodismo feito paz,
tenho pra mim que foi melhor, as vezes penso:
Pois é, tanto faz...


figura cômica assim não pode haver,
no entanto existe, tão triste o fato,
tão triste mesmo é saber,
mas se querem mesmo saber não vou dizer


Já que o mundo corre e não há mais solução,
Opa quase que entrego a pouco o nome em questão.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Qualquer coisa

"É proposital quando você imita o Chico ou é apenas tietagem mesmo?" Pois é... Escrevo no feminino porque nunca ganhei um poema, faço canções porque não sei tocar um instrumento e não tenho a voz afinada, escrevo peça pois o mundo precisa de alguma sátira ou crítica, faço poesia pois acho melhor que fazer inimizades, mas concordo que alguns poemas meus me arranjaram certas inimizades. Prefiro não ter partido para não precisar advogar qual censura me representa ou me oprime. Tenho comigo isso, tenho em mim essa parcela que escreve no feminino, pois é assim que eu gostaria de ser descrito por uma mulher. Não sei fazer nada, nada além de criar, tudo que não é poesia, tudo que não cabe na poesia, dentro do dia, no escritório, na conversa mole de bar entre uma cerveja e outra, tudo que não pode ser alegria ou sequer possa ser dor, tudo isso é destruição e isso não me interessa, viver e rimar com o pulmão.


Em uma fotografia qualquer eu te vejo,
truque moderno, para enganar o medo,
o vestido da primeira vez, o que podia ser e não foi

Ele esta vestindo seu terno mais justo,
olhando pela janela o sol chegar, a manhã nascer
e todo o resto que chamamos mundo

Aquele disco do Milton,
o clube da esquina e o seu beatle preferido.

Tem mais sonhos no olhar agora
suspeito  que ainda terá  quando partir
sabe  seguir, sabe  sorri, sabe mentir

Só sei que ele me fez melhor com o seu beijo
mas é que eu sempre tenho medo

engraçado é pensar,
que passo por certos lugares
e ao passar por esses  lugares
vejo o tempo passar.

Tenho comigo um sonho
e esse sonho  eu não digo,
mas me faz acordar
me faz ter algum  brilho

engraçado é pensar,
que passo por certos lugares
e ao passar por esses  lugares
vejo o tempo passar.

Em uma fotografia qualquer eu te vejo,
truque moderno, para enganar o medo,
o vestido da primeira vez, o que podia ser e não foi

Aquele disco do Milton,
o clube da esquina e o seu beatle preferido.

Ele esta vestindo seu terno mais justo,
olhando pela janela o sol chegar, a manhã nascer
e todo o resto que chamamos mundo

Vou me mostrar daqui,
quem sabe assim me vendo desista de resistir.






segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Aos realistas

Enquanto chove e não se pode ouvir,
sim passos pequenos, infantis e inocentes,
seguem dentro de algum apartamento
como uma filha ao colo paternal e santo.

Dentro da imaginação uma pequena poesia,
dinheiro e saúde, saudade e dor,
um lar ficou para trás e o horizonte agora chora
pois a vida cruzou o ultimo semáforo...

As manchas na roupa de domingo,
os olhos vermelhos pela umidade,
a gripe e o som dos carros parados,

Um dia como outro, uma noite parida na disparidade
ele sabe, ele sabe, saberá mais quando chegar,
sentirá toda a saudade, viveu ao invés de sonhar.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Henfil


Eu sinto saudades do Henfil... Aquele humor acido, aquele riso solto de criança arteira, aquele morder o lábio quando uma ideia estava se formando, sinto saudades do Henfil, nunca o conheci pessoalmente, não tive essa honra, mas foi graças a ele, a graúna e o fradim que comecei a entender, ali ainda criança que fazer poesia, desenhar, viver em sociedade, tudo isso torna-se nada, se você não é dotado do super poder chamado solidarizar-se... Isso valeu mais que qualquer religião ou partido politico, isso te faz humano, te dá aquela sensação de que você não está só, existe sempre alguém que conta com você, existe sempre alguém ou um grupo que você pode ajudar, um simples traço as vezes, um simples sorriso num retrato ou um abaixo-assinado, significam muito, todo importar-se com o próximo é um credito a mais para a conta final da humanidade. Henfil eu sinto saudades de você.
Um abraço hoje e sempre de alguém que ainda te le e admira. Minha barba grande ainda esconde um menino de 5 anos, que ficou besta quando viu a graúna.

Abraço forte Henfil
desse cara que sente um pouco de liberdade quando usa uma camisa amarela.