Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Orla urbana

E assim por medo ele não cantou
e foi evitado, como fosse mais um

Então todas as canções que cantou,
todas as canções que sonhou escutar

Por tanto sonhar, sonhou e ainda sonhou mais,
saltando maior e lirico, brindou a paz...

E assim certa noite, ele ousou olhar,
certa manha acordou de sonhos absurdos,
receoso e faminto, sua sede era pelo mundo.

Correu por horas, correu pelas ruas,
cruzou quadras, esbarrou em bancas de feiras,
atravessou sinais e não alcançou a lua

Já não havia mais método para a poesia,
agora era apenas a vida,
era apenas a vida...

Sem um calculo real,
apenas a realidade

Certa tarde ele acordou poeta,
já não havia poesia é verdade

Acordou poeta
mas a tarde estava encrustada na orla da cidade.



Nenhum comentário: