Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

As jovens mulheres...

A beleza da mulher jovem, essa primeira ilha do arquipélago que é a mulher. Tanto foi dito sobre elas, o encanto em um momento e no outro a culpa ao deseja-las. eu anda não provei a culpa, dizem alguns sábios abalizados, aperitivados e conhecidos, que essa culpa por costume ocorre por volta da meia idade. 
A mulher jovem é um tipo sempre interessante, numa festa é a luz, no bar o assunto e durante o expediente mais causticante ela é o que faz valer existir por agora. Quando esse é o assunto, existem sepre os mais pudicos, recatados ao falar dos atributos da mulher mais jovem, aquelas que quando riem, escondem o sorriso com a mão, se constrangendo pela própria gargalhada ou de outros, elas costumam corar diante de alguma coisa cômica que se deixa escapar. Não, não tenho predileções absurdas, quero apenas, pés lindos e mimosos, quero também o frescor próprio da juventude estendido no corpo de mulher.
Sabe o que é? Me irrita um pouco a falta de folego na minha geração, eu quero beber até as 8:00 da manhã de um domingo com uma garota que ache isso uma novidade, ir ao cinema assistir filmes europeus, indicar as primeiras grandes leituras, ver pelos olhos de quem vê pela primeira vez, lugares  onde ja cansei de ir. 
Gosto de ver a mulher, não por nascer, mas esboçando suas primeiras neuroses femininas, os primeiros raios de encantamento com o mundo. Essa ciência imprecisa e lunar, cujo bastião é confundir, por tanta liberdade que se anseia, por tanto mundo que se quer devorar  ou conquistar. 
Por isso me encanta a mulher jovem, na porta da festa, maquiagem forte, batom vermelho, unhas em cores fortes e a meia arrastão arrematada quase sempre por uma melissa ( como eu peco em observar o peito do pé dessas moças, tentando assim adivinhar seus mais íntimos lugares e segredos). Pois enquanto ela espera na porta da festa, ali mesmo na calçada, cigarro mentolado em mãos, não é a indecisão o fator que me atrai, mas essa meninice de andar em bandos, os mesmos gostos, gírias e jeito. Suas roupas, seu tom de voz, o cigarro de sabor, pois os pais não podem desconfiar que fuma. O corpo esguio e liso, a suavidade que é exigida ao se cuidar delas deve ser copiosa, para não se gastar ou aborrecer a maciez de seus carinhos e imaginário. Há quem diga que é esse o auge da mulher, discordo! A mulher é o auge da humanidade, todo o resto são apenas predileções do momento. D'us como eu amo ver passar a mulher jovem, que ainda carrega no olhar a malicia de certas debutantes.

Nenhum comentário: