Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

sábado, 2 de junho de 2012

Açúcar espacial

Quando a via láctea colidir com andrômeda
Dentro de 4 milhões de anos - dizem os cientistas

Não sei se já o homem alcançará a eternidade
ou se alcançando tal feito
conceberão em trazer novamente a vida tão simplório poeta

Contudo eu que tenho por vezes andado pela cidade
e chutado latas e mascado chicletes até perderem o sabor
e bebido quase sempre meu rum e fumado meu cigarro

Eu! Não, não deixarei de fazer ecoar teu nome
que é chama e feito chama é igual o cometa

Tudo arrasta e faz sorrir em mim
se de longe vejo ou adivinho teu sorriso

Quando a via láctea colidir com andrômeda
Dentro de 4 milhões de anos - dizem os cientistas

Não sei se já o homem alcançará a eternidade
ou se alcançando tal feito
conceberão em trazer novamente a vida tão simplório poeta


Mas hão de lembrar de meus versos
de como cantei cada chaminé e tornei cartaz o meu olhar
lembrarão de seus olhos escuros e risonhos que cantei

E saberão que antes do método cientifico
poetas tornavam eternas suas musas
ao comporem suas canções

E poetas que por vezes são amargos
por terem gasto a doçura no torpor das noites

são o fogo incendiário a acender o candieiro
que a timidez dos lábios não beijaram por medo

Não cantarei laços de fita
bordados e campos verdes e outras patetices

Cuidarei em fazer desse verso o meu apelo
aos que hão de nascer depois de mim propaguem meu verso
esse mesmo que escrevo e grito e leio

Quando a humanidade for eterna por fim me acordem
pois eu bem sei que hão de acorda-la pois é tão linda

Me acordem no tilintar dos seculos sem fim
para que então possa eu a toda a gente do amanhã

possa cantar meu verso que quis encantar seus olhos
e compor o seu sorriso afinal ela é tão linda

E sei que mesmo sem meus versos
 seus passos frágeis ecoariam líricos no esteio do universo

Quando a via láctea colidir com andrômeda
Dentro de 4 milhões de anos - dizem os cientistas

quero que me revivam para ver
da janela de suas naves entre os versos que existirem

que seja esse então o verso por nutrir de luz
ainda mais a esperança
na humanidade que caminhará  eternamente

por luas e sóis com o meu nome onde o epicentro tem seu nome
me refaçam material genético se não houver
não se gastem em procurar

Sou feito de sonhos
desde que comecei a te olhar!

Nenhum comentário: