Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Metrô

No caminho até minha casa
passo pelo mercado e compro comida

Meus amigos ficaram em outro ponto
eu fiquei antes deles
mas tive de ir adiante
mesmo ficando antes deles

Chutei uma lata pela rua até minha casa
as luzes apagadas nas janelas de um hotel vazio

Em minha sacola uma lata de  atum fria
em minha sacola um pacote de macarrão

Segui sozinho para minha casa
e a vida não é como o atum
e o amor não é como a massa

Assisti o jornal no sofá sozinho
em seus quartos minha família dorme

Lata de atum e pacote de massa
e no jornal escuto sobre explosão demográfica
mas eu não entendo muito isso
deixo de saber quando não me fere mais

Anestesiado pelo frio que molha minhas meias
eu parei em algum ponto antes de chegar em casa
as luzes apagadas nas janelas de um hotel vazio

Sempre foi assim?
Como eu não percebi antes,
toda essa loucura, que vem com a chuva,
assolando as ruas mais escuras e os becos noturnos?

Vendo minha televisão sozinho
desligo e já é hora de dormir
dormir sozinho e acordar sozinho
de sonhos que não lembro se sonhei
de sonhos que não sei nunca
se apenas lembrei ou apenas sonhei

Descendo a rua com minha sacola
meus amigos ficaram para trás...

Descendo a rua com minha sacola
luzes apagadas nas janelas do hotel vazio...

Abrirei o portão e depois a porta
subirei as escadas até meu quarto

Verei televisão sozinho enquanto dormem
e sempre estive sozinho, algumas vezes mais que agora

Algumas vezes naufraguei em mentiras
achando que não era diferente sonho e ilusão

Por isso eu sei pouco agora
vou esquecendo enquanto desço a rua

Até os confins da dor guardada entre o atum e a massa
eu posso sentir me cobrir com a luz ausente no hotel vazio

Meus amigos ficaram em outro ponto
eu fiquei antes deles
mas tive de ir adiante
mesmo ficando antes deles

Vendo minha televisão sozinho
desligo e já é hora de dormir
dormir sozinho e acordar sozinho
de sonhos que não lembro se sonhei
de sonhos que não sei nunca
se apenas lembrei ou apenas sonhei


Até os confins da dor guardada entre o atum e a massa
vou esquecendo enquanto desço a rua.

Nenhum comentário: