Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

terça-feira, 24 de abril de 2012

Verso Vermelho

Sua ausência é uma canção
que a saudade sabe cantar de olhos fechados

Recolho a poesia que a noite entorna
ao redor da vida pois sei

Que em cada canto escuro onde for sombra
também é mundo
também é mundo
                         Pode ser armadilha
                         Mas as vezes é só vida....

Sua ausência é uma farda suja de sangue
empesteando a casa com o grito dos inocentes

A amnesia de quem faz por oficio
não exime de culpa nem sua casa

Sua ausência é um idílio
ode que as margens o vento tratou de levar

Para fora dos esquadros onde criou minha epopeia
sem vilões armados e sem filhos de fascistas fardados

No futuro um quintal sem cão de guarda
No futuro uma casa apenas
                                            Uma casa
                                            Uma casa

Não ensinam violão na bandinha da província
sequer sabem cantar imitando a voz da liberdade
                                                            lacaios não cantam
                                                            lacaios só marcham
                                                            lacaios paridos da crueldade

Sua voz ecoa no vazio dentro do passado
                                           feito um cesto feito de recordações azuis

                                          Como um pedaço da noite embarcando no céu
dentro do céu sua voz feito um cometa se vai.

E o filho do guarda não pode sair a noite não
E o filho do guarda não pode viajar sozinho
E o filho do guarda brinca na praça que o pai guarda

Afinal a noite é para o marginal
A passeata é para o marginal
                  A vida em cores
                    Sem fardas
                      Com flauvors
                        Sabores
                           Sabores

                                                  Ele não sabe francês
                                              Não sabe espanhol
                                           Não leu on the road
                                         Provinciano demais

Canta canções clichês
não sabe o estribilho da liberdade
e sequer vai entender
o poema neoconcreto que acabo de compor
pois é mente diminuta                  que sequer
                                                  que sequer
                                                  que sequer
Sua ausencia é uma elegia
pena não podr te explicar
que mais dia menos dia
a orgia viria me buscar

                     Num verso solto ou metrificado
                 quer haicai ou  soneto alexandrino
   para cantar  o passado eu cantaria o infinito
contudo uma rima fácil é coisa que pode fazer
                mas mesmo me arriscando eu tento
                                      pelo fácil não correr
              faço assim poema imagem e repente
                                                 só para dizer

            sua ausência é a voz do mar
que marulha e não se deixa entender


Nenhum comentário: