Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Roma Antiga

Eu não tenho fé e isso é bem simples,
olhe minhas mãos ao retornar e entenderá...

D'us está novamente aqui, sim você sabe do que falo
e isso apesar de ser dito novamente, soa tão recente.

Um sonho dedilhando novamente os acordes da vida,
estou alheio e imune a essas canções de paz...

A imaginação me fez olhar mais de uma vez a rua
e lá distante onde os elefantes sobrevoam com seus marajás
lá não é um lugar realmente mas um estado estabelecido
sequer um estagio realmente seja em alguns aspectos...

Eles me apontaram o caminho por onde você seguiu
contudo eu preferi ir por outro lugar

E o que posso dizer?

Sim, acho que agora é isso...
Ontem eu estava lá, mas hoje onde estou?

Sem fé, isso parece ser simples
próximo e frio como uma estocada

Sorriso sem proposito...

Meu ego esta novamente acima da media,
enquanto flerto com a nudez da noite,
a noite despe seus segredos de antes de mim.

Eu não tenho fé e isso é bem simples,
apenas não acredito nas mentiras que costumo ouvir
Apenas cataloguei o fingimento dentro dos monólogos

Sorriso sem proposito
E o que posso dizer?

Estava ontem em algum ponto e  agora onde estou mesmo?

Não podemos responder perguntas obvias
quando sabemos a resposta
as vezes não sabemos quem perguntou...

Por isso essa noite enquanto voltava,
olhei as poças de lama refletirem as luzes dos postes
e imaginei isso no passado, mas como se fosse agora...

D'us esta novamente entre nós...

Eu me retirei por um bom tempo,
eu ainda estou no exílio sabia?

Espero que esteja bem, espero que esteja bem...

Por isso eu não acredito em mais nada,
é simples como uma estocada fria e certeira,
enquanto alguns se protegem, apenas saio na chuva
apenas saio na chuva e olho a chuva

quando o medo é uma ameaça
o exílio é uma opção...

Estive por baixo por muito tempo
agora apenas olho a chuva aqui no meu exílio

Enquanto os outros passam
apenas ouço a vida atravessar a rua e seguir
Apenas ouço o barulho dos pés pisarem as poças
ecoando o ruido úmido da esperança preterida.

Um comentário:

...AGULHAS NOS OLHOS! disse...

muito, muito bom mesmo. Enquanto lia, já me flagrava cantando.

r.A.