Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

terça-feira, 3 de abril de 2012

Idiossincrasia

Me encontre em uma pequena cidade, sim?
Incrivel estou vendo um antigo filme,
suposições rodeiam uma mente em conflito
e as ideias querem fugir por uma noite.

Meus amigos estão em algum ponto da ilha agora
e o litoral iria esperar por mim esse ano,
choveu o ano inteiro - eu ouço ainda -
e quem te encontrou certa manhã de segunda-feira?

Certos livros tem poesia na capa, consigo imaginar
uma prateleira onde a fantasia
se enfileira por títulos a batizarem olhos angustiados...

Frases como pessoas tem lá os seus humores,
interrogações que se fazem no desespero
nunca me corresponderei com a solidão em seus atos

Sento na margem de um lugar qualquer e
olhar a noite imensa em suas palavras esquecidas...

Me deixar proibir-se
e se deixar me proibir...

Quem te viu passear pela avenida de certa manhã numa segunda,
esqueceu de entender que algo perfeito me faz lembrar tanto,
mas é que tanto eu quis e fiz para te fazer entender...

Minhas mãos não alcançarão a nuvem ...
Quando o que se vive vira passado,
não é algo como:
Agora posso fazer o que bem entender.

Se bem me lembro, certa vez te disse:
Quando essa noite se for, acordaremos todos
mas não é bem um sonho de pássaros,
- onde aves são transeuntes -
acordam-se e podem voar embora atras do verão.

Eu não sei como dizer isso, mas eu nasci para a forca
não estou destinado a morrer de outra maneira,
antiga profecia que se cumprirá...
Mesmo que tudo corra pelos ares, contra a parede
onde escrevi aquele testamento, dramático demais,
estou ciente o final já foi dito para mim.

O outono vestiu minhas roupas, vestiu minha voz
e teceu uma canção com meu vocabulário...

Em Glasgow... Telhados de ilusão douram a neve que escorre
tornando as ruas um enorme retrato do que descrevi
e ali bem ao seu lado, é ela que é um pouco assim,
assim como eu imaginei que fosse você,
pois ela é o ideal onde me persigo na condição de ser feliz.

Me encontre em uma cidade distante e pequena, sim?
Em algum ponto da ilha, na praia de pedras
onde o pensamento descansa,
lá repousa também aquela paixão que sonhou ser liberdade...

Um comentário:

Danúbia Ivanoff disse...

hum... essa grande pequena ilha!!!