Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Sem titulo

Prepare seus olhos para o sol
o sono virá em algum momento sabemos
parques de luz e calor irradiando suas alamedas
dentro de uma revolução pessoal
estamos inclusos em um arsenal mental
Almas propondo garantias e prazer
nunca estivemos aqui
talvez nunca foi pisado esse estagio
Fui áspero com outras
áspero de uma maneira quieta e vaidosa
para entender a magia de seu tempo
eu armei um circo de sentidos
como entender isso agora
Agora é um pensamento suspenso no encanto
visto minhas ideias e ligo para sua casa
sim hoje estamos afim de tudo aquilo novamente
e as perguntas boiam na piscina dos enganos
Uma nevoa envolve o dissolver dos passos
 reclamações de seda e som tingem
as estrelas que apontam o novo norte
ninguém pode entender os segredos
que inventamos enquanto as luzes cochilavam
nosso mundo é um lugar azul
precipitando os delírios em uma ocasião de prazer
olhe para os lados agora
sim estamos atravessando uma longa estrada
sem um destino real para perseguir
sem uma meta necessária alem de nosso modelo
sem um modelo real para seguir
Enquanto você acorda tarde em algum ponto do mapa
respiro um ar viciado em fumaça e álcool
as chaves do seu lugar de encanto
devolvidas me fazem cair por escadas
a mão insiste em me fazer decair
Canções intocáveis povoando o país imaginário
de nossa relação estranha de amizade
onde os acordes vem gritar os tons da manhã seguinte
ecoam os vultos de um passado
a sua espera e como posso entender 
se não quero sentir o verão chegando em minhas veias
pupilas de papoula e organismos galvanizados
quieta observação do real em pilulas douradas e porosas
Sim pequena escute seus discos 
e respeite o que eles dizem
Não pense na verdade como um vestido de domingo
sem jogos quando vier o sol depor contra nossa sensatez
Meu corpo esta  declarando vitoria sobre a moral
e nós sentiremos o que nós sentirmos
moveis espalhados lembram uma festa
mas a ausência da ressaca demonstra
que o esforço foi bem melhor dedicado
Teorizamos tanto sobre sentir
não vamos mais perder tempo com isso
corríamos o risco de nos infectarmos
com a insensibilidade
mas isso foi antes disso tudo
agora levanto da minha solidão
para o conforto do seu corpo
estamos diante da humanidade 
como um batalhão de posições e brinquedos
numa revolução intima
sim nos alcançamos o que desejamos sem saber
o medo esta na casa vizinha cuidado
mas estamos aqui agora
e somos lindos em um momento como esse
Pois a verdade não é um vestido de domingo
saia comigo em um sábado qualquer
e eu prometo na segunda ainda estará viva e salva
Almoçaremos em uma sala de bajuladores cegos
começaremos uma revolução deitados
combateremos essa sanha com ternura e  fome
entre estrelas de açúcar 
e satélites de fumaça
me despeje como uma taça em seu organismo
Derrotados pelas mentiras
agora somos apenas quem segue alheio 
e sim minha pequena estamos em uma outra plataforma
apoiados por nossos nervos e ossos
o que vemos são os nossos olhos projetando
uma imagem de nós acerca das coisas
minha mente guia os astros e as fantasias
e se fundindo a sua estou pregado em uma placa de energia
escorregando dentro do tempo
com você em minhas anotações preciosas
pois deitar é um exercício de reflexão
seria um prazer morrer assim ao seu lado agora
Do seu lado é sempre agora
sem um segundo para o passado ou o futuro
apenas o agora perfumando nossos encontros
como se um tom de azul  gritasse para o dia
nenhuma estrela entende melhor
o mistério de nossas noites
ainda não percebi o que esta acontecendo
mas não foi sempre assim
tornou-se agora com você
Enquanto a vida aponta a direção
nós somos o nosso caminho
e é alegre assim
mas nem sempre foi assim
mas esta sendo agora
agora somos nós
sem a pretensão de teorizar 
o que é ser um
amor é liberdade
e eu nem sei se é amor
qualquer nome que for
eu sei essa sensação
se deitou junto da vida
em nossa revolução

Nenhum comentário: