Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Laranjeira

Quietas nuvens embalam o céu dentro de uma ilusão
nada esta realmente certo agora mas as nuvens vão seguir

Eu ouço o vento como uma sinfonia de sons e dores
que açoitam a terra com sua voz vaporosa e atemporal

Nada vai salvar o que agora esta perdido
e o que estamos perdendo nunca nos pertenceu

É apenas o tempo guiando as cordas da vida
como bonecos nos deixamos guiar nesse jogo

estou triste agora e eu acho que sempre fui um cara triste
jogado em uma mesa converso com meus amigos

nenhuma cadeira vazia pode restar
doce recordação onde eu ainda posso te ouvir

Ouço as folhas queimarem a consciência
expandido os horizontes em uma espiral de cores

Nada pode alcançar o céu
o tempo parece um senhor na beira do caminho 
com suas memorias

Frutos perfeitos de um alcance falso
chutam a realidade com sua nevoa de loucura

Nada poderá salvar o que vemos decair agora
apenas assistimos o espetáculo de nossa decadência

Faça tranças agora!
Faça tranças agora!

Um animal em meu lugar
apenas um animal amestrado em meu lugar

Parecemos com nossos delírios mais insanos
perseguindo a mentira o tempo tornou tudo uma farsa

Quem persegue os perseguidores?
Um demônio responde: Um mico amestrado...

Viemos para ouvir sua canção
e cá estamos desde um seculo atrás

Ouça essa poesia sobre o tempo
pois o tempo é tudo o que temos para nos limpar

Ouça essa canção sobre a dor
pois a dor é tudo que o tempo me ofereceu

Ouça minha voz querida laranjeira
lembra que minha voz te encantou?

Nenhum comentário: