Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

domingo, 30 de outubro de 2011

Pedra verde

Já nem sei direito qual a cor dos seus olhos
Ainda me iluminam as cores da luz do seu sorriso
Deveria responder aos meus chamados e vir comigo
Estive por um bom tempo pensando em você

Costurando com o verde dos seus olhos
Os retalhos de esperança que o amor devorou
Sei que você nem quer saber de mim
Talvez haja um outro motivo bem melhor para me ignorar

Algum amor que veio até você e por você passou
cansando seus olhos verdes e seu sorriso
que eu um dia pretendi como meu sorriso de amor

por isso eu escrevi esse soneto onde cada letra tem um preço
formando seu nome em cada verso desde o começo
para te dizer como eu poderia te fazer feliz...


Um comentário:

Anônimo disse...

Muito bom o poema, poesia valorosa, tem ai qualquer coisa da poesia simbolista e qualquer referencia a um modernismo sem pretensão, peca apenas no lirismo. Contudo parece necessário dentro de cada estrofe, desse soneto livre. Creio que seja um acrostico, pois consegui identificar nome e sobrenome e frases encrustadas como para dizer algo nas entrelinhas.No mais parabéns pela poesia desse poema.