Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Sem estar

Hoje estive num lugar onde voce esteve
por muito tempo eu acreditava nessas coisas
meu cabelo cresce e meus olhos cansam
sinto muito por tudo que eu fiz

Hoje eu recolhi imagens dentro da mente
como numa caixa a parte da chuva eu escorri
ninguem pode entender essas coisas
eu não tenho controle sobre minha sombra
monstros do passado vem me assombrar com outras feições

eu poderia ter escoltado meus sonhos
mas os deixei partirem
como fui capaz de cercar me de dor e luz
jogos de azar eu cansei de me usar assim
estou guiando um rebanho de sentidos contra as armas

Sinto meu sangue contra as noticias distantes
cada vez mais eu me sinto como um desertor
e todos poderiam sorrir naquele dia
sabemos muito bem como cantar certas canções
por favor não as faça doer mais dentro de mim

como pequenos pedaços de vidro
eu posso alcançar um minuto do tempo
saltando contra o futuro insisto em passagens momentaneas
e como doe se resolver sozinho
eles dizem sobre a liberdade e eu só sei ouvir sobre a solidão
crianças planejadas dentro dos planos
eu ainda posso ouvir seus nomes e ainda costumo sonhar seus passos
sinto como se ainda fossem vir
emergindo de uma ligação no futuro

Chove uma centena de palavras estranhas
busco a margem das dores um significado esperançoso a cada termo  frio
eu ainda posso esperar alguma luz de lá
e eu nem sei se posso ouvir algum nome que me era familiar
eu engatinho sons ancestrais como numa canção falha
sinto o peso do meu erro entre meus dedos
eu ainda posso sentir um abismo a altura dos olhos

eu não posso chorar como uma abelha
eu corro como um pensamento rumo a insanidade
e sei muito bem que a paritr dali eu não soube mais
quero me sentir novamante como um antigo filme
sinto inveja da festa onde a vida se constroi
pois eu não sei por onde começar

e hoje eu vi as arvores onde iamos nos amar
e ouvi nossas musicas em outros labios
como se os nomes fossem apenas prefixos
eu sondei meus passos e descrevi uma curva no vapor
me deixei ver aquilo que não posso sentir
eu voei dentro de minhas feridas
como para sentir aquela canção uma ultima vez

uma lua velha veio me dizer o horoscopo
vaguei como uma gaivota cega entre pedaços de sentimentos
buscando o espelho onde eu me via antes
sinto que não posso me achar mais
estou quieto como um animal abatido
cujos restos foram domesticados ao apodrecer
me digam algo por favor
pois enquanto sigo meu rumo eu percebo que nunca estive aqui

Meu destino deu uma volta hoje
dentro de uma linda estrela eu pude me despir
acho que a verdade é como uma antiga camiseta de banda
por favor me deixe com as bandeiras
esse sorriso é apenas cinismo
e quando eu sair por favor venha logo me dar um oi

sinto que a vida está quieta dentro mim
talvez eu esteja apenas quieto enquanto isso ocorre
hoje eu sai um pouco de mim
e dentro de mim era tudo isso
pois em mm eu percebi
que eu nunca estive ai.

Nenhum comentário: