Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Acrópole

Você nem esta no centro desse furacão
eu fico mudo te escutando desenhando com o meu macarrão
e você diz umas coisas que eu disse
e você diz umas coisas que dissemos
de bem antes meu bem
de bem antes dessa tarde fria e o que até aqui nos levou
você sequer faz parte desse turbilhão
eu fico aqui sentado enquanto o seu amor próprio se abate
assisto a tudo como um rei
e acho que perdi em algum ponto a majestade

a mascara caiu e a fantasia sujou
pouco adiantou tanto furor
tanta dança foi em vão
me deixe rodar só
que assim eu nem sei mais
sozinho eu vou dentro da chuva fina
pelas rua do centro de alguma capital da América latina
ciente de toda a poesia que perdi
em algum ponto a majestade vai me encontrar

enquanto isso em alguma capital desse continente sem paz
abotoo meu paletó e faço da vitrina meu espelho
conservo essa ginga no andar como quem ouve samba
esse brilho no olhar como se houvesse esperanças
e já nem há razão alguma que seja liberdade
e não se entregue a solidão...

Me entrego a saudade mais quieta certo de que
a vida é uma dança e que inda hei de achar
assim me vou cansado de dançar tanta dança
uma canção vã de poesia gasta se me imprime a alma
e quieto eu canto outras canções que eu invento
poesia onde eu me invento feliz

as mulheres todas que amei
sim as mulheres todas que me amaram
sonhos que não sonhei
materia inumana repleta de cenas onde calo meu ser
cansei de andar esse caminho vario
cansei de lamentar a morte de outros
se morte há que então se farte dos outros
a mim quando couber farte-se de mim no devido tempo
eu no entanto não me importo com mais nada
não perderei meu tempo com metafisicas
não escreverei cartas de amor.

Você não esta no centro desse furacão
enquanto diz o que dissemos eu desenho no prato
com o molho de tomate e o macarrão
eu olho pela vitrina eu desvio o meu olhar
aqui há um peito sem coração
dentro da chuva fina em alguma capital da América latina
sem filas ou ilusões eu sei que você sabe disso
e sei que pode ser que nem seja sonho
e se não for pode deixar
que é bem melhor viver uma vida
que chorar pela euforia de um sonho que passou

não vou te dizer que seus olhos são lindos
e nem contar que hoje meu me vi dentro do seu olhar
não me toque e não me beije
só me deixe escutar o som da vida indo longe
sem ter pra onde voltar
sem liberdade que não seja solidão
qualquer canção já não vai servir
eu vou cantar uma nova canção

é bem melhor viver uma vida
que chorar pela euforia de um sonho que passou...








Nenhum comentário: