Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

terça-feira, 5 de julho de 2011

Matematica

A matematica matou meus sonhos
fez ruir meus predios
minha completa ignorancia de equações
dá vontade de dar um soco na cara
dos numeros primarios
da trigoometria...

Os calculos e a logica
romperam a devastar e desabrigar
meus sonhos urbanisticos
de estampar de concreto vias desertas
de tornar cidade campos vazios
dentro da minha meninice
dai veio a matematica
com seus calculos algebricos
e fez isso comigo

Toda a arquitetura
todo o urbanismo
meus sonhos tenros
da mais inocente infancia
os primeiros desenhos
o conjunto de lapis e canetas
ganhos num aniversario qualquer
entretiam como uma aparicação divina
ao tornar visivel as primeiras imagens
de minha inocente intenção!

Tornar-me arquiteto
eu queria antes de tudo tornar-me arquiteto
mas a matematica
com suas logicas excentricas e absurdas
me castram o genio
que desde cedo dizia
serei arquiteto
serei arquiteto
serei arquiteto

e assim quando na escolas vieram os primeiros numeros
eu os devorei com fome
 pois gritava em mim:
serei arquiteto
serei arquiteto

masa ai vieram os calculos complexos
cuja logica se exila de abraça-los
é quando afinal 5+5 é igual a X
e esse tal X pode ser tudo
mesmo ali continuava em mim aquele grito:
serei arquiteto
serei arquiteto

mas vinham as notas
numa decrescente triste e cinza
esfareando o concreto
apagando os desenhos
retorcendo as retas
endireitando as curvas
desabitando as cidades projetadas
pondo abaixo os edificies
cada vez mais dificeis de se concretizarem

foi assim que a matematica assassinou os sonhos de uma criança
foi assim que a passos de genocida a triconometria, a algebra e a equação do segundo grau
foram calando aquela voz que desde bem cedo gritava
e agora quando olho um predio
quando ouço o nome niemeyer
fico murcho
quero chorar
torno-me a criança
dentro do sonho que a matematica desfez...

Nenhum comentário: