Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

segunda-feira, 26 de abril de 2010

e se eu não encontrar?

...e se eu não encontrar meu lugar
neste mundo vasto?
vagar pelas oleosas cidades
pelo pasto de asfalto
onde a multidão se esconde na indignidade
uns miram o chão, outros fitam o alto.
colhem o fortuito sem semente
pensam como sábios e agem feito dementes
muitos se abraçam e choram devagar...
e se eu não encontrar meu lugar
neste mundo insolente?
muitos abraçam por cortesia
jura-se, pela vida, que não mente
cantos animalescos e extinção de poesia
febre fria, torpor e desespero quente
espera-se o milagre na amizade
ou o futuro na saudade
muitos se beijam sem amar...
e se eu não encontrar meu lugar
neste mundo impuro?
à procura das belas almas contra a agonia
que enxergam as cores do futuro
que devoram a noite sombria
e o invernal dia escuro.
Teria lugar entre os notáveis
se assim o são, devem ser amáveis
não os vejo nada fazer, será que irei encontrar?...
e se eu não encontrar meu lugar...

domingo, 25 de abril de 2010

porvir singelo

Seria ela, tão tola e tão bela
deixando-se tocá-la onde a alma revela
mais cândida e formosa
profundeza afetuosa?

Almejo descobri-la mesmo tão singela;
sua terna voz canta e também se rebela
toda amável e venturosa
empunhando a arma sobre o vestido rosa.

Mas escorado junto a seu afetuoso seio
expõe-se um enfante. Confiante leio
em seu sorrir, envolto, no porvir, despido

tudo o que supunha e declarava acima:
A mulher guerreira luta, todo momento anima
pra que o amor liberto não seja corrompido.

sexta-feira, 9 de abril de 2010

de todos os lados

Corram! fujam!! Mas retornem!!
permanecemos sendo mulher e homem!
De cabeça erguida tudo se vê;
pancadas de todos os lados:
falsos amigos, sindicato, Estado.
Ainda assim enxergo você.

Nunca ajoelhada às migalhas
jamais escorada em navalhas
ou mesmo olhando para o chão
Pois quem prefere a prece ferida
há de permanecer toda a vida
refém da ordem e da opressão!

O olhar afirma e o sorriso confia
quem despreza a verdade, os desvia
cria-se explicações e criaturas.
sempre é do humano o defeito
dizem que quem age direito
não perece com hematomas e queimaduras...

Bobagens! Tolices! Ressentimentos!!
Daqueles que renegam lutar ao relento
pra tentar pousar no conforto.
Temos força, somos poucos mas os melhores
há muita luta, não deixemos que se explore.
Sempre em pé. Nunca calado! Só morto!