Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

terça-feira, 30 de setembro de 2008

caixa de papelão

Ignoro as letras vou dormir
em uma caixa de papelão.
correr sem choro calado
há sussurro no grito
traidores ao lado
muito facil me irrito
irritante a espera
não aceito perdão
e já era.

Ignoro as contas
vou dormir vestido de verão
no frio.
tremer agarrado ao isopor de televisão
comer as partes do que resta
se ainda encontrar algo que presta
muito facil eu brigo
todos são o perigo
brigo com tudo a vera
não peço perdão
e já era.

não desafio

deixei os meus suspiros no vazio

e os desesperos cheios de certeza

borrados numa folha sobre a mesa

ao lado do retrato de sorriso sombrio




Deixei tantas palavras pelos cantos

e a poeira que em meus olhos arde

lembra que em teus braços nunca é tarde

os motivos belos e sinceros são tantos

deitado no horizonte já passado

o beijo certo divagava errado

mas teu amor não desafio

e a canção que cantava sozinho

recorda a tua voz doce espinho

não quero dor então me distancio

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Apequenado

Voce precisa acordar todos os dias e me pagar um drink
gosto de rir das nossas conversinhas sem interesse algum
mas enfim voce precisa acordar todos os dias
e ter alguem que diga o que eu digo agora ate voce perceber:

Voce é linda tão linda de uma maneira que so voce pode ver...

Me pague um drink ou me dê um cigarro
todos os dias antes de ir ao trabalho voce acorda triste eu sei
todas as duvidas que existem no universo da sua vida
os medos de terminar no fim da noite sozinha sem amigos ou um amor

voce precisa acordar todos os dias e ouvir que é linda
e eu sei que todos os caras diriam isso para voce sem esforço algum
mas voce não é linda apenas eu sei muito bem
naquela noite na festa eu descobri isso e posso não saber tudo
posso não saber tudo como eu sei sempre sobre todas
mas sei de uma maneira sincera e pura
inocente e clara como uma criança dentro de seus olhos

voce é linda tão linda de uma maneira que só voce pode ver...

Sou um cara pequeno e cheio de livros e poemas
todos me pintam como algo inexato e epleto de interrogações
mas eu sei muito bem que naquela noite na festa...

Voce precisa acordar todos os dias e antes de ir ao tralbalho
ou chegar na universidade ouvir pelo menos uma centena de vezes
a importancia de seu sorriso num mundo feio como o medo
pois mais cedo ou mais tarde
eu não quero voltar sozinho como naquela festa
eu não quero sair com a cara cheia de tudo como todas as noites

sim eu tenho os mesmos medos que voce
sim eu sou um cara pequeno
menor que voce e isso não importa muito
pois afinal tudo que eu sei é que voce precisa acordar todos os dias
e ouvir como voce é linda tão linda
linda de uma maneira que só voce pode ver

é dificil ver se voce não quer abrir os olhos
as mesmas palavras sempre e novamente
gastando seus ouvidos com tudo aquilo que qualquer cara diria
mas eu sei que naquela noite na festa
se ficasse um pouquinho mais eu descobriria muito mais
e poderia ver a bleza em voce que ate agora só voce pode saber

voce é linda tão linda de uma maneira que só voce pode ver...

12 passos

Hoje eu lembrei de tantas coisas enquanto andava pelo meu antigo bairro
parece mesmo que as coisas vão diminuindo enquanto a gente cresce
e se no fim é tudo tão fragil da ate vontade de proteger
gosto de caminhar pelo passeio enquanto tudo acontece
e lembro das conversas e dos amigos que sempre me ajudaram

Não importa o que digam
sei muito bem o que eu deixei de ver e as coisas que não vivi
não importa agora tudo que cuspitram em minha cara
pois eu tenho alguns amigos e quado nada da certo eu sei para quem devo ligar

os doze passos aqui para os lugares que devo seguir
respirar e mentalizar um bom lugar
palavras que me libertam do passado chato que insiste em visitar algumas vezes
tudo que eu não quis para mim e sei que foi bobagem não querer
não imposta muito agora
pois se tenho amigos é no final de cada dia que converso com eles

tudo que tenho posso levar no meu coração
e pouco importou me importar tanto com todos
se o que sempre foi importante esteve ao meu aldo
agora eu sei tenho alguns amigos
e quando nada da certo sei para quem devo ligar

mentalizo um lugar melhor como ponto de fuga
e se meus gritos atrapalham o coração
eu canto um mantra
eu tento respirar melhor

Hare Rama
Rama Rama
Hare Hare
Rama Hare

Lobo do mar

Tenho muitos amigos e tive muito mais a algum tempo
meu nariz sangra e dói agora
o frio rasga meu rosto dentro da madrugada
como um corsario me embreago com rum enquanto conto historinhas
e pensar que meu peito tem uma cicatriz por dentro
é que o anzol do tempo me impos tal condição
sou um cego pelo exercicio do vicio

Cruzando mares dentro da tempestade
dobrando cabos e naufragando em busca
talvez a vida tenha sido apenas a busca
e sendo apenas busca ao menos busquei

Tenho os pés firmes dentro da noite
sequer um passo durante os dias que passam
velas expostas ao vento me recolho ao convés
ela é linda como uma carranca espanhola
ornando meu galeão estilhaçado de outros portos
ela é linda como a imagem de um oasis
o paraiso seria seu sorriso numa tarde pelo parque

Mãos tremulas como a carne mais instavel
todos sabem de meu estado fragil e tempestivo
dedos caindo pelo caminho de entrigas
a proa é meu trono
e dali eu corro o mundo rasgando as marés

Tenho alguns amigos e tive muitos a algum tempo
sou um maldito entre os rejeitados
cuspindo na hostia santa da moralidade
fiz meu oficio entre os piores dessa epoca
talvez se houvesse uma garota me esperando quando eu voltar
mas não há garota alguma me esperando apenas

tenho uma centena de olhos espiando meus passos
3.000 crianças sedntas por meu sangue
meu nariz coça demais e dói
o frio rasca meu rosto dentro da madrugada violenta e suja
o horizonte é uma extensão de negrume e solidão

Eu sou um velho lobo do mar...

Postumidades

Segui meu caminho por não ter onde ficar
e mesmo assim sempre sentido a dor
de não poder encontrar um lugar meu
hoje eu sei muito bem como começou
e não sinto felicidade ao prever o serei daqui a uma decada

Poetas serão sempre postumos!
A morte nos traz a gloria em troco dos insultos em vida
exatamente por não sentir segui sem destino algum
meu destino parece que é mesmo seguir apenas
seguir somente e seguir novamente
ate que a mort uma noite venha me desposar da casaca
para que enfim meus olhos possam dormir
o sono tranquilo dos que não podem errar mais

Acordo num apartamento vazio
no centro nobre de uma cidade vazia durante o dia
nenhuma das vozes na noite anterior estão aqui
o que resta para enganar a soidão são apenas os vultos da noite passada
eu não tenho mais o que fazer n globo terrestre
acabado o lirismo
encerrada a poesia o que mais um poeta pode fazer senão cair por si

todos os bares e festas e mulheres e o amro que não aconteceu
o amor que sequer aconteceu me martelo todas as noites dentro do peito
toda a vida que poderia ter sido e não foi
o lirismo atoa que gastei com quem não devia
o amor infantil que rompeu meus olhos da inocencia
a maquilagem dadaista para mascarar a dor da existencia absurda

enfim esta tudo acabado e nunca houve um começo ao certo eu sei
segui meu caminho por não ter onde ficar
um porto um oasis ou uma distração
passei pela vida e não me perdi um segundo com o prazer de viver
não encontrei meu lugar
hoje eu sei muito bem como começou
e não sei mais como poderá ser daqui a uma decada ou duas

Poetas!
Poetas serão sempre postumos!

Arq

Para um grande amigo e sua ex, num momento um tanto delicado,onde torço para que tudo de certo.

Gostaria de ouvir sua voz agora
gostaria de ouvir sua voz feliz invadir o espaço de meu escritorio
adoraria ouvir uma daquelas bobagens que costumavamos dizer
uma semana ou duas sem nos conversarmos e ontem enfim voltamos a conversar
eu sei que a feri demais com meu egoismo
eu sei que a feri demais com minha vaidade aparente
eu sei que a feri demais com meu senso de auto-proteção

Gostaria de ouvir sua voz agora sabia
mas sabe como eu gostaria de ouvir sua voz de uma maneira alegre
pois agora que nada aconteceu eu sei que nada vai acontecer
e no final vai continuar o mesmo de sempre mesmo não é?

e ontem conversamos de maneira breve e seca
eu sei o quanto me costou tudo isso ate aqui
pode parecer egoismo querer um tempo para si
mas é o que todos precisam
mas se enfim sou o que continuo sendo
posso agradecer por isso a voce
pois em voce tudo em mim teria que mudar

Gostaria de ouvir sua voz agora
conversarmos sobre tudo que um fez ao outro nesse quase um ano
jogar limpo sem medo de ferir mais do que ja se feriu

e por mais que eu tenha posto o pé na estrada
e conseguido me livrar de tudo que me amarrava
agora queria ouvir sua voz alegre
só um dessa vez apenas como uma amiga sincera
se no amor não conseguimos sinceridade um do outro
esperava ao menos isso na amizade

Gostaria de ouvir sua voz agora sabia
sei que custou muito esse nosso ano
e que tambem a feri variadas vezes
com meu egoismo
com minha vaidade aparente
com meu senso de auto -proteção

domingo, 21 de setembro de 2008

Itinerario noturno

Essa noite pode caber noutras conversas
dobro a esquina e espero no ponto
já estou bebado
e lembro bem que as oito da manhã eu ainda estava bebado
pode ser engraçado contar todas as loucuras quando a loucura passar
mas e se nunca passar
desejo que quando tudo se for eu tambem possa ir

caminho diferente de tudo
horario maluco de quem sabe onde e como conseguir
o que o vicio lamenta a ausencia

Essa noite cabe noutras noites
paredes umidas pela urina corrosiva e fedorenta

mulheres que nunca amaram
e caras com eu que amam demais

sou como um milhão de caras nesse mundo
queria ser um milhão de caras e encontra-la sem o medo de sufoca-la

todas as noite sou o mesmo ator
escalado para uma peça chamada
degradação e loucura

todas as perguntas que os dias apagaram
eu nunca me importei realmente com o que acontecia enquanto eu viajava

tenho essa nite aqui nesse ponto
enquanto espero as 2:00 da manhã que algum amigo me leve para algum lugar
tenho esse ponto para refletir e meia Tequila para ajudar

fumar um cigarro e olhar as estras talvez fosse poetico
mas sou paulistano e minha poesia tem céu fechado e chuvisquento
agora tudo faz algum sentido e alguem diz algo
pronto quem disse que iria ser facil

sou como um milhã de caras no mundo esperando no ponto
e em qual ponto eu deveria esperar
as perguntas voltam como se a muito tivessem saido para passear
essa noite eu só tenho isso e um pouco daquilo
nada que me faça normal
só coisas para me manter aceso e mascarar o cansaço de toda essa vida
que como num ponto foi apenas espera

sábado, 20 de setembro de 2008

Já foi novo

Novo amor?
não existe novo amor
amor é sempre o mesmo
é de repente cruzar a rua entrar na padaria para comprar o pão
o leite
e a paçoquinha de troco
e ver ela ali

Novo amor?
Não existe novo amor
existe apenas o mesmo amor de sempre
o que muda é o ser amado
mesmo quando se trata do mesmo ser sempre
mas não se trata do mesmo ser agora
e nem se trata de novo amor
que amor mesmo ando desconfiando que nem exista

Mas tudo bem
compro meu cigarro acendo a muito custo
leio meu jornal e falo palavrões
penso muito besteiras
engraçadas
tragicas
melosas
nada absolutamente nada
de nada me vale

no fim o que importou para mim nem eu saberei
estudarão meu caso postumamente
e darão o veredictus:
nada absolutamente nada
importou
Cai e fiquei pelo chão dormir ate minha hora chegar
e me acordarem aos chutes
vadiagem
desboquismo
e outras felinidades proprias de quem se considera poeta
não fui nada alem disso
Novo amor?
Nenhum novo amor eu amo sempre igual
errando onde ate uma semana atras eu dizia não mais pecar
Todo poeta é no fundo
um cara esperando a chuva passar

terça-feira, 16 de setembro de 2008

L'ancien mur

Même si les rêves

traversée, le plus ancien mur,

je couvrirais vous de soie e de la neige

avec la pluie tropicale, douce et dur.

ainsi les printemps est les piège:

Baisers a fait des fleurs dans es jardin obscure

crient tes cheveux d'or d'amour bref!



perdu dans la joie, mon lit fait sur la lune

je me réveille d'un volcan et des dunes

à l'aube dans tes yeux. Je vais, je veux.

Je vais te souspirer avec parfum et fraîcheur

et en flammes fêtives, les traites, je vencerais;

fait la plus belle chute d'un dictateur

comme le plus Frivole pétale de fleur

L'ancien mur rouge a été mon coeur

Il a tombé par la neige de vos bras

Je veux me rapeller des cygnes nageant dans l'un lac

Baiser votre visage en coulers

En vrais, tous les temps. J'y vais.

domingo, 14 de setembro de 2008

Tem mais

Tem mais solidão na sombra viva
da árvore que verdeja sem sofrer
do que o sofrer claro que se esquiva
sobre a copa em companhia do alvorecer.

Tem mais sombra a nuvem só que escurece
o sol, no dia resplandescente de azul e branco
que as cinzas e granizos, com o vento se esquece
de todos humores e expulsa silhuetas pelos flancos

Tem mais brilho na distração coerente
e no sorriso comprometido com a vida
que a boa vontade que se impõe sorridente
impondo os homens sob a imagem aparecida

Tem mais tristeza em mim que sou feliz
na aparencia, e na inocencia do futuro
que em ti, que espera que tudo é fruto que se quiz
e esquece do suor que perde-se em apuro

Deste modo o mais brilhante distraído
que envolto na sombra e no lume escondido
e mais triste e mais seguro do que ocorre

É mais ornado de digna verdade
do que alguma pequena particularidade
que esguia desfarça e estranhamente morre.

Cantiga

Todas as miserias do mundo num verso
seriam poesia?
Não preciso de conhecimentos sobre metafisica ou estetica
a resposta é que toda a miseria do mundo
não é poesia
toda a miseria do mundo não é artigo que se compra
para se verificar e embelezar com rimas

Essa madrugada uma crinaça morreu de fome e frio
não tinha nome sequer a idade sabiam

Ciranda
cirandinha
vamos todos cirandar...

sem nome ou documentos
morreu ali mesmo naquela esquina que fede a urina e sangue
sabe-se apenas cheirou cola
deitou e morreu
o cadaver sorria

Ciranda
cirandinha
vamos todos cirandar...

a criança sem nome que quando morre torna-se em cadaver
o cadaver que sorria
talvez sorrise pela efeito da cola
talvez apenas sonhasse algo
talvez seu sonho fosse mesmo morrer
e do sonho não acordou

todas as miserias do mundo num verso
sim a miseria não cabe na poesia
talvez o amor tolo dos que amam e nunca serão amados
talvez o lirismo tuberculoso dos poetas sem visão
cegos pelo amor afogados em seu egocentrismo infantil
todas as miserias num verso
a miseria não pode ser poesia

Vamos dar a meia volta
volta e meia vamos dar...

por exemplo seria bizarro cantar que uma mulher é violentada a cada 5 minutos
e que na Africa as guerras etnicas são o a cobaia belica do grande capital
não isso não é poesia mesmo

se eu dissese que um povo não tem direito a nacionalidade
se eu falasse do gás mostarda lançado nos Curdos
sim eu poderia matar essa tarde contando fatos interessantissimos
mas nenhum deles agradaria os ouvidos sensiveis de alguma bela moça
portanto não essas miserias não podem ser poesia

Ciranda
cirandinha
vamos todos cirandar...

Vamos dar a meia volta
volta e meia vamos dar...

O projeto nuclear norte coreano não tem estetica o bastante
nem o regime chines e suas insanidades absurdamente desumanas
sequer a corrupção tibetana encarnada
nos discursos de ovelhinha proferidos pelo Dalai Lama
não é poesia criticar as teocracias e o populismo
todo o fetichismo
toda a hipocrisia
toda doença e as armas biologicas

Vamos dar a meia volta
volta e meia vamos dar...

me nego a cantar um mundo onde só o que é belo tem lugar
se o que canto não é poesia
parece loucura dizer
mas não ha poesia o bastante então
aos poetas cabe então arma numa mão caderno e caneta na outra
transformar o mundo num lugar realmente poetico
ja que não ha poesia o bastente na miseria humana

Ciranda
cirandinha
vamos todos cirandar...

Poderia ser seu filho o estudante morto pela policia
e que no jornal insistem em chamar de de usuario
e despejar todo aquele discurso moralista
de defender pistas de guerra e comandos da morte
poderia ser sua filha a menina estuprada todos os dias na capital sem esquinas
pelos senadore bem votaods brancos e protestantes demais
todo o odio do mundo para quem odeia junto com o mundo
e parece mesmo que nessa cantiga
enquanto capital compõe a burguesia canta
e sou e é voce e é tambem a menina e o menino mortos
e sou eu e voce e todos
nos dançamos enquanto a ciranda segue

Ciranda
cirandinha
vamos todos cirandar...

Vamos dar a meia volta
volta e meia vamos dar...

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Envelope

Entreguei por um momento suspiros
recados não escritos, telegrama sem sentido
Em um envelope pleno de gritos despidos.

Em um envelope gritante desfiro
uma série de rumores e desafios
para que acolhas terna de vazio

Tudo que não poderia referir-te
escondo no envelope inocente e puro
compreenda; meu amor silente, ora escuro

Eu só preciso navegar e ouvir-te
dentro de minha entrega inerente
e ver-te a esperança livida sorridente.

Em um envelope a deriva me atiro
com toda a amplidão dos mares tempestuosos
e meu navio é seu coração de carinhos saborosos.

Tudo que resta em mim não respira
se o perfume impetuoso e contemplativo
não se entremeia em mim feito um amor vivo.

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

à espreita

Sabe de uma coisa:
queria poder dizer as coisas pelos cantos
à espreita, cochichando em segredo
mentir talvez, talvez dissimular o medo
talvez resar para os santos,
mas, pelo menos saberia
por que o efemero está nos labios que se escondem
diz-me vc meu caro
que não preciso de cerimonias
estas evocações do passado inerte e do futuro ausente
versos raros
por que tanta hipocrisia?

Sabe de uma coisa:
acho que não poderia nem querer saber
os meus punhos em assalto
não se resignariam `a tais motivos do querer
grito alto
sou tão barato e tão frivolo quanto as picuinhas
ao nosso redor?
responda-me um dia
enquanto isso ignoro a falsidade do efemero
e celebro o que é humano e caro.
abraços, luta e arte

domingo, 7 de setembro de 2008

Vanguardismo Barato

Olho para o céu desse mês
quantos dias esse mês me ofereceu antes de chegar
todo o tumulto e loucura na profusão de gritos e bombas de gas
escudos e barricadas
escudos e barricadas demais
escudos demais
barricadas necessarias

Olho para o céu desse mês
encontrei meu amor nesses dias
nesses dias de outro ano

e pensar que para alguns somos vanguardistas baratos
jovens intelectuais de merda
e pensar que para alguns somos vanguardistas baratos
jovens intelectuais de merda
se masturbando diante da realidade
e pensar que para alguns somos vanguardistas baratos
jovens intelectuais de merda
a revolução sera de patins
e pensar que para alguns somos vanguardistas baratos
jovens intelectuais de merda
a espera do momento correto e verdadeiramente revolucionario

Olho para o céu desse mês
todo o pavor nas fotos e nos jornais
toda a vontade de lutar
e o sonho de vencer uma vez ao menos
voltem
voltem
voltem
é necessario marchar um pouco ainda

no entanto existem aqueles que nos chamam de vanguardistas baratos
é preciso dizer nomes e fazer a fogueira
é necessario queima-los ate o fim
torna-los lenha de nossa enorme fogueira da vitoria
para que o mundo saiba assim são as vitorias
crueis para os derrotados
gloriosas para os vencedores
é verdade todos queriamos um mundo onde não fosse necessario vencer
onde não fosse necessaria aexistencia da derrota

contudo aqui onde vivemos
nesses tempos amargos recuar é traição
nesses tempos amargos piscar de sono é se entregar por alguns minutos
então é necesario fazer arder o fogo dessas bandeiras
que o homem tenha sua vez em casa
e na fabrica tambem
que seja humano apenas o homem
sem nação ou classe
sem grilhões que o apelidem por raça ou credo
que a unica crença seja na humanidade

Basta de recuo o futuro nos lança o horizonte
então é sempre hora de marchar adiante mesmo quando é loucura seguir
mesmo quando for loucura seguir
seguiremos ainda mais
para abrir caminho aos que vem logo atras
Seguir pois somos vanguardistas baratos
Seguir pois lemos Lenin e Trotsky,
pois lemos o Marx que não mofa nas bibliotecas
seguir pois se o futuro se apresenta no palco do horizonte
para lá guiaremos a humanidade!

É necessario cortar a cabeça dos academicistas
com a lamina de suas proprias linguas repletas de falacias
linguas que em nome da excelencia
pervertem digo convertem de maneira desleal
em crença e dogmatismo o que é ciencia
É urgente pois confina-los em suas mediocres bibliotecas
para que entre si observem e façam balanços
e examinem e revisem e releiam
enfim o que urge fazer é deixa-los em sua mediocridade
no futuro o que serão senão vultos triste da decadencia humana

Afinal somos eu e tu camarada vanguardistas baratos
exatamente por sair escarrando nas injurias desse mundo
de uma maneira violenta e direta
sem os eufemismos e alegorias dos reais revolucionarios

Proletarios de todo mundo uni-vos!
os academicistas irão a revolução sim
mas antes escreverão dois ou tres artigos a respeito
comentarão sobre algum filme europeu
repararão na estetica das bandeiras
proporão ignomias diversas
E sobretudo se apartarão da classe trabalhadora
pois sendo apenas um motinzinho atoa ou uma greve aqui ou acola
uma ocupação que seja ali não aparecem
os jovens intelectuais com seus livros escritos no original alemão ou russo
com suas criticas corajosas quando a distancia
com seu vocabulario cirurgicamente colhido de algum dialogo que ouviu
algum dialogo entre professores na academia

polidamente devemos chorar pela decadencia desses
eles são os jovens intelectuais que nos observam
nos estudam nos examinam
e nossas celas podemos ve-los quando nos vem ver
parece mesmo que é tudo um zoo não é
estou quites com meu peito
tenho coragem o bastante para lutar
e medo o bastante do futuro
e é exatamente esse medo que nos faz querer torna-lo em algo melhor
então jovenzinho academicistao que te move a mediocridade
é medo apenas ou algo desumano
corta teu cabelo e faz com ele corda
enforca-te com suas vaidades intelectuais
esta provado não é somos vanguardistas baratos!