Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Uma antiga amizade

Ela veio depois de muito tempo ela retornou de buenos aires,agora com cabelos maiores mas ainda negros,lisos e curtos,oculos de armação azul e aquela mesma conversa pequena num tom confessional proprio de sua voz infantil,nem consigo mais lembrar quando foi a ultima vez que a vi aqui no brasil.
Eu a encontrei,alias a reencontrei no ultimo sabado,quando eu vagabundeava pelo centro atras de um bar barato e pequeno para conversar com alguns amigos e logo ali naquela rua que não sei o nome,num bar fetido,com uma mesa de bilhar quebrada,eu a vi,demorei um pouco para reconhecer naquela imagem ou o que um dia foi ela,o que ela ainda continua sendo para mim.Mas era ela sim sozinha na compania de alguns antigos amigos que desconheço e na tbm de alguns antigos amigos que temos em comum,cerveja barata,conversa mole,meus olhos não saima dela,e tudo o que ela dizia para mim tomava uma forma fantastica,fantastica como no ultimo verão assim por acaso numa das ruas de buenos aires,ela foi andar um pouco pela manhã e ao comprar numa maquina de cigarros um maço apenas,a maquina lhe ofertou dois,coisas assim como as coisas que costumam ocorrer todos os dias com boa parte das pessoas,mas o fato em centro é que realmente me pareciam fantasticos fatos por exatamente se mostrarem recortes de sua vida distante de meus olhos.
Sentia em tudo o que lea dizia certa saudade,certa ausencia,um vazio levemente carregado as duras penas pela paixão de provar que esta certa,e não foi loucura deixar tudo de lado para viver noutro canto só por outro amor.Ah... Como me faria feliz se ela me confessase abertamente,mesmo que de uma maneira pouco confiavel algum desejo de retornar,tudo então teria outra cor.
No meio da noite o telefone de um amigo toca,surpreso ao atender,sim era para ela a ligação,seu irmão ou algo assim ,alguns minutos depois ela sai,retornando se despede,bebo um pouco,converso ainda um pouco mudamos de bar sem ela,logo depois de algumas cervejas,volto no carro com meus amigos ate a estação de onibus,dentro do carro todos conversam supondo a vida lá nos pampas argentinos,e eu eu apenas imaginava onde continuou sua noite.
Não sei quando ela retornará para a argentina,resta a duvida se seria melhor saber e ignorar ou apenas supor e sonhar que se ela voltou é um ensaio para voltar definitivamente.

Nenhum comentário: