Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

domingo, 30 de dezembro de 2007

Sentimentos antigos hoje apenas são saudade

Nossa foi a mais de dois anos,vim perceber esses dias numa dessas conversas de bar,sim mais de dois anos e muita coisa aconteceu desde ali,naquela terça nublada e fria.Foi num setembro no centro da cidade,no centro de Santo André quero dizer,pela manhã ela ia para seu trabalho de meio espediente e eu apenas vagabundeava pelo centro,ela me olhou bem dentro,o sinal tocou naquela escola famosa e nos beijamos,ela não estava ali,ela dizia que não estava inteira ali e talvez nunca estivessemos realmente ali,dise que seria melhor parar por ali e paramos,era uma terça feira de um setembro chuvoso e frio,marcava 15ºgraus o termometro do transito.Eu lembro da primeira vez que nos vimos,sim me lembro de uma forma espantosa,lembro que naquele tempo eu militava no PCdoB,recebia R$300,00 por semana e bebia a maior parte com os amigos,lembro que estava voltando para casa depois de um bom periodo morando com amigos na capital,foi o ano que fui ao Mexico,lembro daquele 2005 ate ali eu lembro com muitas falhas,mas ali naquele abril louco de manifestações,abril de voltar para casa e voltar para minha antiga escola,ali naquele abril eu a conheci,eu ali no carro de som disputando microfone com uma duzia de organizações trotskistas,ela entre suas amigas,sede,sim eu sentia sede de agua,talvez pelas duas noites sem dormir preparando a manifestação,talvez tambem pelos excessos na vodka e no rum que eu cometia com certa frequencia,só sei e lembro muito bem que naquele dia,naquele abril eu a conheci da seguinte maneira,pedi de brincadeira que alguma garota me trouxesse agua,algumas me trouxeram,uma dessas era ela e eu já havia visto ela de algum tempo, peguei sua agua,e falei que tambem adoraria o telefone daquela agua,ai...ai...ai...lembro de seu rostinho branco corando de um vermelho copioso e os olhos verdes protegidos pelo oculos iam me seguindo,iam dançando com os meus depois disso e durante a manifestação,num momento ela desaparece,mais adiante um amigo me vem rindo e diz que tem algo bem interessante para me contar depois,ah...Sim ele havia conseguido com as amigas dela seu telefone,não liguei ,sou na verdade um falso extrovertido isso é fato,não liguei mesmo e provavelmente não haveria nada entre nós fosse apenas aqueles numeros que eram seu telefone.Assim meio de relance entre um contato e outro,entre amigos e conhecidos,soube que haveria eleição do gremio em sua escola,sim para mim era apenas eleição do gremio de uma escola depois com sua visão ali em uniforme como no primeiro dia que a vi que me passou,sim era a escola dela,conversamos um pouco ,fui ajudar a organizar as eleições,naquele periodo eu era secretario geral da Upes e o homem da imprensa do movimento estudantil secundarista,soube por ela que ela faria parte de uma chapa que concorreria,conversamos muito,dei dicas,via em cada historianha que eu contava sobre o Mexico,sobre as minhas viagens pelo Brasil,seus olhinhos verdes brilharem,ela corar ao movimentar me para demonstrar com pantominias algum fato ou tamanho de algo,tudo ali para ela se mostrava espantoso.No final da conversa eu olhei bem para ela e disse voce via ganhar minha pequena,voce vai ganhar eu ainda repetia,saindo da sala acendendo meu cigarro.
Sim os dias se seguiram daquela eleição,no correr do tempo enquanto cabulava aulas para executar tal feito,tambem terminava meu primeiro namoro,Liz voltava para o Paraguay depois de muito tempo,terminando assim nosso namoro-doutrina.Eu via Tata todos os dias quase e aquilo que num primeiro momento eu pensava ser aventura,aventura apenas,algo muito comum para meus amigos e talvez em algum momento fosse para mim,mas que no entanto eu encarava com certo desprezo e desaconselho,poderia ser aventura afinal tantos de meus amigos que assim como eu na minha idade e correndo por ai,viveram talvez fosse inevitavel e eu encarava como minha provavel aventura,não era os dias foram comprovando que não era,um dia perto de uma de suas amigas deixei escapar que ir ali era um presente uma vez que podia ver Tata que era linda e merecia ate flores,sim escapou o comentario e me veio como resposta que no lugar de flores ela desejava muito mais bombons e beijos,bombons e beijos,eu estava sem um puto na carteira,cogitei propo-la apenas os beijos,cogitei apenas cogitei,pensei em amigos dinheiro escasso para mim o mais ajuizado,escasso ainda mais para o resto ainda menos ajuizado que um comboio de coyotes,seguiu-se assim ate a apuração das urnas ela havia ganhado e isso foi numa quinta,lembro que acordei numa sexta com meu celular tocando e era ela dizendo da vitoria,nossa parecia que acordar naquela manhã era a extensão de um delirio,ela m convidava para a festa da vitoria ali naquela escola no sabado,fui lembro da roupa calça jean's velha camisa vermelha de manga longa,ela usava uma batinha de detalhes florais cheia de desenhos arabescos,não usava oculos seus olhos irritados pelas lentes de contato,brilho na boca,cabelo preso,nossa não parecia ela,mas ainda sim estava linda, conversamos um bom tempo no patio coberto nos olhavamos,nos olhavamos,nos olhavamos e seguiamos conversando,eu ali ela tambem,ela curiosa com o embrulho de presente,ela pergunta para quem é,faço cena,alias ceninha bem bonachona e pouco convincente ao dizer que era para um amigo numa festa logo mais e tudo,tudo,tudo e etc,era uma caixa de bombons eu disse,ela sorriu dai eu disse que era para ela,ah...sim...é verdade deixem eu me explicar como consegui comprar a caixa d bombons,pois bem liguei para meu velho na sexta depois do telefonema dela e disse que precisava de uma grana emprestada que pagaria na outra semana,o velho depositou uns R$150 mais ou menos,mas enfim voltando de onde paramos,eu disse que os bombons eram para ela,timida,silencio e um sorriso acompanhado de uma pergunta sussurrada,quae para não se ouvir,ouvi e respondi,ela se perguntava quem havia me dito sobre quilo dai eu disse ninguem achava que ela merecia simplesmente,uma vez que depois que a vi pela primeira vez ela não havia saido ainda da minha cabeça e que por mim não havia esforço algum em tira-la.
Encerrada a conversa com a entrega do presente eu ja sem esperança algum disse que iria embora para ver uns amigos,ela pediu para esperar um pouco,para conversarmos mais,aceitei sentamos na escadaria conversamos umas tres horas sobre um monte de coisas,no final disse que já era tarde teria que ir,ela concordou e quando eu me levantava ela encostou a cabeça no meu ombro passou a mão em minha barba e me olhou ao levantar a cabeça,abri a boca para falar qualquer coisa e ela me beijou de leve,assustado recuei,descrente da cena,desci as escadas e vi ela entrando na escola novamente para sua festa de vitoria.No caminho da escola para a estação de trens existe o terminal rodoviario,pois pelo caminho não vi pasei por ele e não percebi,como num sonho transpus aquilo pelo estado que estava por aquilo que havia acontecido,eu sentia seu perfume em minha barba,em minha roupa,nas minhas mãos,assim fui ate o apartamento onde eu morava com uns amigos,extasiado pelo momento descrente do ato,tão logo cheguei liguei para ela,parecia um bobo,eu ria,eu gaguejava,me vissem ali pareceria que encontravam com alguem que descobria pelo amor como me comunicar,depois daquilo começamos a namorar,ate Setembro quando ela me disse aquilo,naquela tarde fria e nublada,para apagar todas as cenas para sair dela,para que ela saisse de mim,foi um longo periodo de tristeza,noites acordado,dias em profundo sono,cigarro atras de cigarro,cervejas,vodka,rum e vinho,alcool em excesso para diminuir a frustração da perda,aqueles meses pareciam anos,tudo o que haviamos passado,estrelava em minha mente febril como sucesso de um filme europeu,verdadeira nouvelle vague existencialista,pensava nela e no que havia feito para tanto,me culpava e não sabia o crime,eu era inocente e me sentenciavam a solidão pelo simples argumento do que eu criava assim só.
O tempo passou sonhos,sonhos,sonhos e sonhos,outras apareceram,outras correram comigo,algumas marcantes,outras insignies mas todas com o desejo de esquece-la totalmente ou de recorda-la com imitações pateticas,ela passou por mim algumas vez eu tenho certeza,como naquele dia que eu passava bebado pela Bela Vista anoite,naquela madrugada pela rua das figueiras enquanto eu bebia com uns velhos amigos,eu a vi algumas vezes ainda,algumas por engano,outras realmente mas quase todas eu criei para me enganar dizendo que superei,as vezes passo pelo bairro que ela morou,as vezes tambem passo pela escola do nosso primeiro beijo e vejo a escadaria ali no mesmo lugar com as mesmas formas.
Sim outras vieram e passaram,hoje eu ainda lembro dela,ainda fico pensando com seria se naquele ano houvessemos pulado aquela terça fria e nublada de setembro,penso como seria,penso se eu seria o que sou,as vezes penso que ter carregado essa dor até saber trabalha-la me fez o que sou para o melhor ou pior,mas ainda sim para o que sou.Reside é claro uma curiosidade e é graças a essa curiosidade que me pus a escrever,pois a pouco menos de um mês enquanto estava tomando um café,me apareceu uma amiga dela,me reconhecendo de leve,dificultada pelos oculos de armação de acetato preto,pela barba bem feita e pelo ar tristonho,talvez tenha me reconhecio apenas pela gargalhada tipica e o caderninho de anotações variadas e é claro pelo papo estranho com o garçom,bem ela chegou me comprimentou eu a reconheci não disse nada dai ela veio logo puxando assunto e tudo mais,dai soltei meu nome e ela logo lembrou dai disse que a Tata estava sozinha e um tempo atras tinha perguntado por mim para alguns amigos em comum,eles nada souberam responder,ela havia se mudado,não atendia meus telefones e eu tambem havia mudado não de casa,nome ou endereço,mas de espirito eu pensei comigo,sorri e passei qualquer telefone,dei meu e-mail enfim tão logo se encontrassem ela passaria a Tata,pois bem ate hoje nada e sabe é melhor assim,nada e nada,deixei para o passado essa pagina,que é bom só recordar,hoje eu sou outro e ela possivelmente tambem eu torço,tenho uma dezena de amigos novos,mantenho contato com alguns amigos antigos,mas ainda prefiro comemorar meus aniversarios em butecos baratos com um ou dois amigos de verdade,saio pra festas para conversar e não para dançar,vai ver eu ainda seja o mesmo o tempo é que passou,mas estou feliz por mim e pelas minhas antigas duvidas e pelas minha novas duvidas,tanto já passou e hoje eu sei que se ela me procurar não será a mim que estara buscando e sim um tempo que se foi,não sou antidoto para a areia que passou pela ambulheta.Hoje eu amo outra,hoje eu não tenho pressa de amar,só medo de sofrer e isso eu sei,devo muito ao que ela foi para mim.Assim foram os dias que Tata esteve presente,mesmo depois que ela partiu.E ela sempre estará presente assim como as muitas que amei antes dessa que agora amo,cada uma pagina uma lição para enfim chegar ate Paty.Obrigado Tata por tudo.

Nenhum comentário: