Aos comentaristas


Devido uma avalanche de comentarios torpes e não identificados, decidimos que só aceitaremos comentarios devidamente identificados e que não contenham mensagens ofensivas, alias se comentar e se identificar, serão permitidas as ofensas. Quem quer debater, tem que ter coragem de se mostrar para que o debate ou critica seja fdemocratico! Okay cara palida?

sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

Atemporal

Vives atemporal, frívolo e disperso
não te emancipas, coração e mente
das místicas obscuras e candentes
no meio imediato e recente
na claridade do mundo em reverso.

Junto ao liberto medo conhecido
Te esqueces do que te supões ser de inato
uno entre as partes fragmetárias do fato:
o que tens não lhe muda os atos.
Isenta-te dos preconceitos e hipocrisias vividos!

Evidência dos falsos olhos da mulher que não te ama
Os grandes amigos que não lhe tiram a venda
Lha retiro, vê além dos horizontes da renda
Não lhe quero magoado, por favor agora compreenda
pois não precisarás lembrar da vida doente e só em uma cama.

Um comentário:

Igor disse...

velho apenas o titulo ja me deixou satisfeito atemporal nossa é muito extremo ilogico portanto poetico
quanto aos versos nossa tem aquela coisa da visão do poeta como um olhador da musa como um vedor do universo dela e resultado disso um admirador não apenas da beleza mas da condição limitada e humana como se poeta e musa fossem no fundo a mesma pessoa no minimo na poesia otimo muito bom mesmo excelente